O círculo está fechado. Agora você conhece as doze pessoas que vou entrevistar todos os meses do ano. A última entrevista chega com um certo atraso, mas logo chegam os papos equivalentes a fevereiro e o relógio se acerta.

Com vocês, Inagaki.

Em um resumo, quem é e o que faz Alexandre Inagaki?

Sou jornalista, consultor de projetos de comunicação em meios digitais, torcedor saudável do Guarani Futebol Clube e autor do blog Pensar Enlouquece, Pense Nisso.

2011 foi um ano especial? Se sim (ou não), por qual motivo?

2011 foi um ano bem complicado. Que já começou atribulado em janeiro, quando meu pai descobriu que tinha um tumor no intestino. E, ao longo do ano, o seu Shiguehiko acabaria passando por 3 cirurgias e 6 meses de quimioterapia. Felizmente o pior já passou, e ele se recuperou dessa enfim. Além disso, passei boa parte do ano enredado com um apartamento em reformas. Quem já passou por essa via-crúcis sabe que uma reforma de apê lembra aquele trabalho de Sísifo rolando uma pedra até o topo de uma montanha, já que parece não acabar nunca: haja grana e haja paciência.

Profissionalmente, a vibe foi daqueles equilibradores de pratos chineses, saca? Lance #TudoAoMesmoTempoAgora, com trabalhos se multiplicando feito gremlins molhados, refletindo a necessidade que agora toda agência e empresa possui de ter alguma presença online na grande mesa de bar virtual que são as redes sociais. Em quase todo o meu tempo à frente de um computador há algum ppt aberto sendo editado por mim. :P

Mas o momento mais inesquecível do ano foi o batizado do meu sobrinho Nicolas, em outubro, numa igreja secular em Zaragoza, e de quem tive a honra de ser o padrinho. Foi minha primeira viagem à Espanha, diga-se de passagem. E aproveitei minha incursão por lá para finalmente realizar o sonho de ver in loco as obras de Gaudí. Caminhar pelo Parque Güell, visitar a Casa Battló e descer as escadas em espiral da Sagrada Família são daquelas experiências que a gente guarda pra sempre na algibeira da memória.

Qual é o seu objetivo principal para 2012?

Me envolver em vários projetos profissionais bacanas, mas em meio a todo esse turbilhão da xoxo media conseguir tirar uns dias de folga, a fim de poder lagartixar numa rede preguiçosa pra deitar, tendo tempo de dar uma bronzeada e curtir aquele ócio criativo esperto, digerindo devidamente toda a overdose de informações que meu cérebro sequer tem tido tempo de mastigar direito.

Já estamos perto do fim do primeiro mês do ano, o que já aconteceu de marcante na sua vida esse ano?

A alta do meu pai, após ter ficado 47 dias internado no hospital, incluindo-se aí Natal e réveillon. A mudança para o apê que parecia estar eternamente em reforma. E os preparativos finais para o Desencontro 2012, mais um evento do qual sou responsável pela curadoria e programação, e que vai rolar em Fortaleza no final de março.

Por último, tem alguma coisa que você considera praticamente impossível de realizar até o fim do ano, mas que você gostaria muito? O que é?

Hmm, vejamos. Ficar bilionário, inventar a cura do câncer e ter um caso tórrido com a Scarlett Johansson seriam três projetos bacanas de se realizar. Mas, se for pra viajar nas nuvens tentando fincar os pés no chão, diria que gostaria de manter meu atual nível de remuneração apenas escrevendo posts no meu blog, um tamagotchi que sofre de inanição por causa de um dono mais ocupado do que deveria com projetos que acabam rendendo o vil metal sagrado de todo dia.