De acordo com a grande mestra Wikipedia, licença poética se define assim:

...é a permissão para extrapolar o uso da norma culta da língua, tomando a liberdade necessária para utilizar recursos como o uso de palavras de baixo-calão, desvios da norma ortográfica que se aproximam mais da linguagem falada ou a utilização de figuras de estilo como a hipérbole ou outras que assumem o carácter "fingidor" da poesia, de acordo com a conhecida fórmula de Fernando Pessoa ("O poeta é um fingidor").

A matéria-prima do poeta é a palavra e, assim como o escultor extraí a forma de um bloco, o escritor tem toda a liberdade para manipular as palavras, mesmo que isso implique em romper com as normas tradicionais da gramática. Limitar a poética às tradições de uma língua é não reconhecer, também, a volatilidade da fala.

De acordo comigo, licença poética é uma puta sacanagem. Porque sob o manto protetor e tolerante da 'licença poética' se cometem grandes atrocidades, não só com a língua portuguesa: o problema mesmo é quando alguém escreve uma música que não quer dizer nada.

As músicas que não querem dizer nada estão por aí, aos montes. As assobiamos com entusiasmo no caminho do trabalho, na volta do clube, indo para a academia. Elas são tão parte do dia-a-dia que nós não mais nos damos conta que algumas letras não fazem de fato sentido nenhum.

A música que não quer dizer nada é democrática. Ela está em todos os lugares, em todas as classes sociais e em todos os gêneros. Não escolhe tipo de instrumento, número de integrantes da banda ou idade do compositor. Quer um exemplo? Tente entender como alguém consegue formular tantas frases e não dizer categoricamente nada:

Em muitas vezes procurei tentar achar
Onde eu errei em coisas que nem têm porquê
Naquela vez perguntei
Você não soube responder
O que eu tinha feito pra você

Agora como eu vou saber
Tem hora que é melhor esquecer
Espera o dia amanhecer
Pra ver o que a gente vai fazer

CPM 22 é um dos grandes nomes adeptos das letras que não querem dizer nada

Para os desavisados, essa foi a música com a qual o CPM 22 estourou, lá por 2001, e se chama 'Regina, Let's Go'. Outro grande exemplo é de um trecho de uma letra que eu nunca compreendi e talvez nunca compreenderei, a não ser que o próprio compositor me esclareça (se é que ele sabe). 'Temporal', do Art Popular (deve ser de algo como 1996 ou 1997, mas não tenho certeza), recita a máxima da música que não quer dizer... nada:

Eh!
Até parece que o amor não deu
Até parece que não soube amar
Você reclama do meu apogeu
Do meu apogeu!

E todo o céu vai desabar
Ah ah ah ah ah ah ah!
Ai! Desabou!...(2x)

Ok, amor acabou, fim, desgraça, inconformação. Até aí a gente pega. Mas eu nunca encontrei uma frase tão bizarra, jogada no meio de uma música para fazer rima, que fosse capaz de estragar todo o resto da letra.

Art Popular posa junto de seu Apogeu modelo 65

Não que o resto da letra seja um primor. Mas você tá lá, sambando suavemente durante o show do Art Popular e entoando com alegria um dos hits do grupo, 'Temporal'. Ironicamente, o sol está alto no céu. Bom, você canta e se lembra da sua última decepção amorosa, se identifica e tal, mas aí você chega nessa parte do apogeu, e aí complica. Porque o pagode não pode ter complicação na letra, entende? Precisa fluir, cara, porque as pessoas precisam sambar e o show tem que continuar. Não dá para questionar a letra, não. Só que 'você reclama do meu apogeu' demanda um alto processamento de CPU. Você tá cantando e de repente vem uma frase dessa - não é algo que você está esperando.

Infelizmente, não consegui formular nenhuma teoria plausível para o que seria um 'apogeu', nesse contexto, e porque a mulher em questão estaria tão insatisfeita com ele. Sugestões nos comentários.

Claro que existem outros mestres, mais sofisticados, do nonsense letrista no cenário nacional. Não dá para esquecer do Djavan. E Tom Zé sempre foi um nome com muito potencial. Só que esse post tem como objetivo fazer justiça a Leandro Lehart, do Art Popular, como outra fera do cenário nacional de músicas que não fazem sentido. Afinal, não dá para esquecer do 'Pagode da Amarelinha' e do grande hino do Art Popular, que não diz naaaaada: 'Agamamou'. Clássicos.