Eu não sei como contar isso pra você sem provocar reações imprevisíveis, por isso, vou começar devagar. Não leia se você for gestante, cardíaco e essas coisas.

(Imagine uma musiquinha relaxante bem cafona tocando de fundo. OU MELHOR: DÁ O PLAY! HEH)

Num tempo bem longínquo, quando Deus criou todas as coisas, ele resolveu colocar na natureza uma frutinha simpática e muito saborosa chamada cereja.

De textura macia e sabor ácido e adocicado, além de um único carocinho em seu miolo, a cereja alimentou viajantes incautos e camponeses famintos por milhões de anos. Deus achou interessante também colocar um cabinho na cereja. Assim, ficaria fácil comer a frutinha e se livrar do carocinho incoveniente.

Milhões de anos depois, o ser humano dominou as ténicas de cultivo da cereja e de sua árvore, a cerejeira. Mesmo assim, como se trata de uma fruta de origem asiática, e nosso país tem um clima muuuuito diferente do da Ásia, é meio caro comprar cereja por aqui.

O homem, com o passar dos anos e a revolução industrial, encontrou maneiras mais fáceis de se alimentar. Maneiras que não exigiam que ele plantasse uma cerejeira ou caçasse um boi. Ele podia ter todas essas coisas mesmo sem cultivá-las ou matá-las. Ele podia pagar para que fizessem isso pra ele. Além disso, o homem inventou as frutas em calda e desidratadas, o que trouxe a natureza para dentro do nosso lar de maneira inexplicável.

Doces sabor cereja são muito comuns no nosso país. As docerias estão repletas deles. Mas você, que num ou em outro Natal já provou cerejas in natura, sabe que o sabor delas difere diametralmente do sabor artificial dos doces sabor cereja que provamos todos os dias. Difere inclusive do sabor da famosa cereja em calda, que é facilmente encontrada em bolos e guloseimas nas padarias do país.

A química avançou de modo incrível, e os bons flavorizantes artificiais simulam com perfeição o aroma e o sabor de alimentos naturais. Mas a cereja... a cereja continua diferente.

É quase... é quase outra coisa.

(AGORA VOLTA LÁ NO COMEÇO E PARA A MÚSICA)

É outra coisa. Cereja em calda, meu amigo... CEREJA EM CALDA É CHUCHU!

chuchu

Dramatic Chipmunk animated gift

Isso mesmo. A maioria das cerejas em calda encontradas em supermercados é feita de chuchu, um legume que supostamente absorve a cor e o sabor de qualquer coisa. Sei que é difícil de acreditar, mas basta uma olhada mais atenta nas letras miúdas da embalagem para comprovar. O Google tem informações imprecisas a respeito, mas você encontra rumores aqui, aqui e aqui. E esse post esclarece toda a verdade.

Eu clamo pela sua compreensão. Isso não é teoria da conspiração. Não é um boicote à indústria de chuchus. Ou à indústria de cerejas em calda. Minha única função aqui é propagar a verdade.

Eu sei que é difícil, mas chega uma hora da vida que você precisa saber que o logo do Carrefour não é um etzinho e que a Mama Bruschetta não é exatamente uma senhora. E com essa hora, chegam outras revelações - uma delas é que cereja em calda é chuchu.

Isso só prova o quanto vivemos num mundo de aparências, o quanto somos apegados a paradigmas. Se a cereja em calda é feita de chuchu, do que será feito o frango que comemos todos os dias? O bife? O leite?

Fique atento. Não leve especialidade láctea por requeijão. A vida tem desses truques, mas agora você estará preparado.