Vou tentar passar pra vocês a sensação única que é a de consumir no Panamá. Manja quando você compra algo na promoção, consegue um preço legal, e sai da loja com aquela sensação boa de negócio bem feito?

Agora imagina sentir isso o tempo todo. Quer dizer, virtualmente a gente consome o tempo todo - de pedágio à vendinha na esquina. Então imagina que, o tempo todo, você anda por aí com aquela sensação gostosa de EU FIZ UM BOM NEGÓCIO.

Em alguns momentos especiais, em que você encontra preços realmente assustadores (de baixos), bate uma espécie de DORMÊNCIA MENTAL. É que vem, então, uma grande revolta por comparar o quanto você sempre pagou por tudo no Brasil e o quanto as coisas realmente valem. E aí a gente fica, um pouco, que nem o Chaves quando dá aquela travada. Eu fiquei assim em uma loja em que comprei shorts jeans por 5 dólares. Tipo, não literalmente, mas fiquei um pouco chocada. Durante um tempo, não conseguia pensar direito - e não é que sai fazendo compras, nem nada, mas fiquei por alguns minutos contemplando por quanto tempo fui feita de idiota e acho que a MINDNUMBNESS foi uma maneira do meu cérebro de evitar o trauma.

PIRIPAQUE

As sensações são conflitantes e constantes, mas bem ou mal, eu aprendi a fazer compras no Panamá, sei onde ir, e garanto que isso por si só é uma das várias atrações turísticas daqui. Inspirada por esse sentimento libertador chamado livre consumismo, escrevi um guia para quem, como eu, deseja fazer compras no Panamá e em seus arredores. AH: se você não quer saber de nada disso porque não pretende vir pro Panamá tão cedo, pule direto pro bônus do final.

Pra começar, dicas fundamentais para se aventurar por aqui:

  • Pechinche SEMPRE. Aqui é comum e na maioria das vezes dá pra conseguir um descontinho, ainda mais se você estiver levando mais de uma peça de qualquer coisa. Se falar espanhol, melhor ainda.
  • Os produtos aqui não tem imposto embutido. O imposto, de 7%, é acrescido no caixa. Ou seja: pense em todo preço de etiqueta com 7% a mais.
  • Sempre que entrar em uma loja, pergunte se há peças em REBAJAS, ou seja, com desconto. A maioria das lojas tem sempre uma ou mais araras com peças em promoção, que costumam ser muito, muito mais em conta. Se não tiver seu número para uma roupa que gostou, peça à vendedora. Não é como no Brasil, onde as promoções rolam com as últimas peças: aqui, eles têm peças de estoque 'rebajadas', e geralmente colocam as coisas ON SALE quando vão receber coleções novas.
  • No meio da semana, tipo na quarta-feira, eu fui até a Zara pra ver se conseguia um bom preço em casacos de frio, daqueles bem pesados, porque vou precisar na Europa. A Zara tem coleções parecidas com a da Renner e, por aqui, preços também. Achei um excelente por 79 dólares, já que a Zara está em rebajas, um bom preço comparado ao quanto pagaria na Europa e definitivamente uma pechincha se comparasse ao Brasil. Voltei hoje, último dia das rebajas, e o mesmo casaco estava custando 59 dólares. E tinha um monte deles. Moral: quanto mais próximo do fim da promoção você puder ir a uma loja, melhor. Mas pense também que, quando mais tarde você for, menos peças legais vai encontrar. Eu dei sorte porque, assim, quem compra casaco pra enfrentar neve no Panamá?

Los Pueblos

Bom para: roupas, sapatos, artigos de decoração, celulares, brinquedos.

Preços: são ótimos, ainda mais com disposição para garimpar peças boas em lojas como a SAKS, Steven's, REBAJAMODAS (essa só com roupas para homens)

Compras

Eeeerr, então, encontrei isso no provador... melhor não deixar suas coisas no chão se for a uma loja chamada SAK'S. É o preço que se paga por camisetas a 2 USD

Se você perguntar a um panamenho bem de vida, ele vai fazer uma cara de fresco quando você disser que vai a Los Pueblos pra fazer compras. Eles não vão pra lá pelo mesmo motivo que não frequentam as praias na costa de Colón: não gostam do aspecto pobre da região. E de fato, Los Pueblos é bem pobrinho, mas não é nenhuma periferia a qual um brasileiro não esteja acostumado. Quer dizer, eu imagino: ao menos você deveria estar acostumado a uma periferiazinha ou outra, mesmo que seja um empresário rico ou uma madame que vive indo pra Miami. Desculpa falar.

Los Pueblos é um bairro com um centro de compras que é como um graaaande shopping a céu aberto. Tem lojas de tudo quando é tranqueira que você possa imaginar: roupas, eletrônicos, celulares, artigos para decoração, material de construção, calçados, brinquedos... o lance é que lá tem uns outlets em que rolam promoções muito boas. A maioria delas, contudo, precisa de um fino trabalho de GARIMPO pra que seja possível arrancar algo utilizável. Pra homens é mais fácil encontrar coisas usáveis, tipo camisas da Lacoste a 10 dólares com pequenos defeitos de costura. Pras mulheres é mais difícil, mas foi lá que eu encontrei meu short de 5 dólares e as camisetas de 2 US$, então um pouco de paciência vai bem.

Prepare-se para andar MUITO. Sério, MUITO. O lugar é gigante, então leve seu chapéu (PANAMÁ DE PREFERÊNCIA NÉ RSRSRS) e filtro solar. Ah: lá não pode provar roupa.

Shoppings

Importante saber que nos shopping aqui, tem um trenzinho que fica passando com uma musiquinha, levando crianças dentro. E como os carros panamenhos, ele são bem barbeiros e desgovernados. TOME CUIDADO. Vou descrever os dois principais shoppings da região central, os que conheço bem. Ao chegar, procure o guichê para fazer o cartão de descontos para turistas. Basta ter passaporte para poder fazer: é de graça e em algumas lojas o desconto chega a ser de 20%.

Allbrook

Bom para: crianças. Não comprar crianças, seu pervertido, para levá-las. É que o shopping é muito colorido e as entradas têm nomes de bichos, com as estátuas respectivas, além de um carrossel colorido e musical no meio da praça de alimentação, com unicórnios de chifres peludos com as cores do arco-íris. O shopping é tipo uma viagem de ácido, como você pode ver.

 

LSDDDDDDDDDD

 

Mas enfim: no geral, é legal para comprar brinquedos, eletrônicos e roupas, além de cosméticos na Riviera. Para roupas femininas, uma loja chamada Estampa tem preços excelentes e peças interessantes.

Preços: são bons, os melhores para um shopping panamenho. Comparados com o Brasil, dá pra ver bastante vantagem. Se encontram bons preços e muitas opções de eletrônicos.

O Allbrook é um shopping gigante perto do principal terminal de ônibus da Cidade do Panamá, o Terminal Allbrook. Ele é o shopping mais feio que eu já vi na vida, e shoppings por definição não são bonitos. É frequentados por panamenhos da classe C, no geral, e alguns poucos turistas de naipe mais mochileiro. A arquitetura lembra um pouco uma caixa de sapato feita de concreto e pintada com todas as cores existentes na paleta da Suvinil. É cafona pra cacete, mas nada disso importa, porque ele é gigante e tem de tudo, e dos shoppings panamenhos próximos ao centro, é o mais barato.

Dificilmente você vai conseguir andar o shopping inteiro em um dia, mas dá pra encontrar lojas de todas as categorias imagináveis, de souvenirs de cinema a artigos para amantes da cultura oriental. O shopping tem uma porção de lojas de videogames e de eletrônicos com várias opções e preços razoáveis, como a Multimaz e a Panafoto, além de uma loja da Apple e um lugar maravilhoso chamado Premier, que vende todo tipo de eletrônico chinês por preços ridículos. A saber: compramos uma sanduicheira elétrica por 8 dólares, e ela é uma maravilha.

A praça de alimentação é super completa, deve ter entre 20 a 30 opções de restaurantes.

Multiplaza

Bom para: roupas de gente rica, tipo Dolce & Gabana, Armani, Louis Vuitton, jóias, relógios.

Preços: melhores do que no Brasil, mas caros em comparação com o Allbrook ou a outros lugares no Panamá.

O Multiplaza é um shopping de playboy. Frequentado por turistas e panamenhos que não têm cara de panamenhos, ou seja, da classe AAA, ele fica numa região de alta concentração de prédios de alto padrão, a Punta Pacífica. Ao contrário do Allbrook, ele é bem bonitinho (pra um shopping - sabe né, o básico, aquelas coisas envidraçadas, terrações e tal), mas os preços acompanham os frequentadores e é um shopping ligeiramente mais caro do que o Allbrook. As rebajas são menores, as promoções duram menos e tem menos peças em promoção, no geral.

Tem, contudo, uma pista de patinação no gelo em dezembro, janeiro e julho, um quiosque da Haagen-Dasz bem legal (sorvetes são legais!) e várias opções diferentes de alimentação, um pouquinho mais sofisticadas e um pouquinho mais caras.

Via España

Bom para: cosméticos, roupas, eletrônicos, souvenir e artesanato. E pra ver o povo panamenho e o trânsito maluco.

Preços: interessantes. Chegam a ser melhores do que no Allbrook Mall para eletrônicos, e semelhantes em cosméticos, roupas e perfumes.

A Via España é uma das principais avenidas do Panamá. Ela é gigantesca, mas tem um trecho de alguns quarteirões cheio de lojas e pequenas galerias, na altura do McDonalds. O mesmo trecho é cheio de casinos e hotéis, então é cheio de turistas, então as lojas estão acostumadas com visitantes estrangeiros. Há muitas lojas de sapatos, óticas com bons preços, roupas para homens e magazines com acessórios e roupas femininas, além de algumas lojas de esportes, que vendem Nike, Reebok, Puma e Adidas a preços legais. Procure pela Galeria Lafayette para comprar malas de viagem, câmeras digitais e analógicas, profissionais ou não. Lá também tem artigos de decoração e eletrônicos, tudo a preços impressionantes. O dono, parece, compra lotes antigos de coisas então vende-as a preços fora do comum.

Na esquina do McDonalds, tem uma travessa cheia de hotéis, casinos, puteiros e lojas pra turistas, com lembranças do Panamá e os chapeús Panamá que você tanto queria comprar. PECHINCHE, em espanhol, e você conseguira preços razoáveis. Depois, volte à Via España e peça orientação para caminhar sentido El Cangrejo. Tem lojas dos dois lados da rua, mas por favor, cuidado para atravessar. Tente encontrar um farol, use a passarela de uma galeria que tem no meio da avenida ou procure um grupo de panamenhos, porque é muito difícil atravessar na Via Espanha, quase impossível.

Zona Libre de Colón

Zona Libre de Colón

Nós também estamos confusos com a quantidade de opções, tio

Bom para: eletrônicos, roupas de marcas como Abercrombie, Reebok, Vans, Nike, Billabong, Hurley, tênis e sapatos, bolsas, perfumes e cosméticos em geral, brinquedos. Tem mais coisas, como motos e bicicletas, mas se você vai tentar sair sem que percebam que você comprou, talvez seja difícil esconder uma bicicleta.

Preços: os mais baratos que você já viu na sua vida. Sem dúvida. Como referência, um Playstation 3 de 320GB custa 370 dólares, e dá pra pechinchar. Um tênis da Vans que no Brasil sai por cerca de 300 reais custa 20 dólares.

A Zona Libre de Colón é como uma cidade dentro da cidade. É um bairro emparedado, onde só estrangeiros, comprovando com passaporte, podem comprar, apesar de os panamenhos terem a entrada liberada. Fica a uma hora e meia da Cidade do Panamá; um taxi te cobraria um 100 dólares para fazer o passeio, ida e volta, saindo da capital, e também na Cidade do Panamá saem ônibus regulares do terminal de Allbrook para lá. A graça da parada está no fato que a Zona Libre é um lugar onde você pode comprar produtos sem nenhum imposto, e daí fica bem claro que aquela bolsa que no Brasil te custaria 200 reais pode ser vendida por 16 dólares com margem de luro pelo vendedor, porque são lojas intermediárias, não de fabricantes.

A lógica é que a Zona Libre seja um lugar em que comerciantes negociem mercadorias em atacado, paguem e enviem, via containers, direto para o porto ou para o aeroporto, para exportar. Na teoria, o que se vende em Colón não pode entrar no Panamá - porque senão, teria que pagar impostos. Então você não pode sair de lá com o que compra, e nem comprar coisas em pequenas quantidades. E aí você me pergunta: então, qual a graça de ir a um lugar desses?

É que na prática essas regras não funcionam. As lojas dentro de Colón pertencem a comerciantes independentes, que vendem sim a granel. Sair é uma loteria: os guardas param carro por carro e, por padrão, pedem para abrir o porta-malas. Só que, como você sabe, há outros lugares onde guardar as coisas, tipo embaixo do banco ou dentro da sua bolsa. Roupas e sapatos, por exemplo, podem ser VESTIDOS, as etiquetas retiradas. E assim as pessoas levam pra casa roupas, perfumes e eletrônicos por menos da metade do preço que pagariam no Brasil, e algo como 20% mais barato do que na própria Cidade do Panamá, em que as coisas já são bem interessantes no quesito PREÇOS.

E se pegarem os produtos na saída? Bom, vão apreender sua mercadoria e você vai pagar imposto sobre ela. Isso é o que deveria acontecer; na prática, a maioria das pessoas negocia algo que no Brasil a gente conhece muito bem: se chama propina e, como tudo aqui, até a propina é muito mais barata do que aí. NÃO ESTOU FAZENDO APOLOGIA A DAR PROPINA, só estou dizendo como as coisas funcionam por lá.

Quem estiver procurando por um guia turístico que fale português na Cidade do Panamá, eu não posso ajudar, mas meu pai ainda está por lá e presta serviços incríveis de guia turístico - seja pra conhecer os melhores lugares pra fazer compras, as melhores praias ou então tirar o melhor daquela escala de 24 horas. O e-mail dele é roque.freitas [@] gmail . com. Pode escrever ;)

Bônus: Todo a Dollar

Bom para: todas as tranqueiras que possivelmente cruzarem sua mente fértil.

Preços: UM DÓLAR! É o mesmo conceito das lojas de R$ 1,99.

Então você descobre que o Panamá tem uma rede de lojas de preço único, a Todo a Dollar. Entra lá esperando encontrar o que encontraria em lojas de R$ 1,99 no Brasil. E encontra não só isso, mas toda a sorte de bizarrices. Esse bônus é mais uma espécie de galeria de fotos com a bizarrices. Algumas dessas coisas estavam até no mesmo corredor, pra você entender a VARIEDADE da loja. Todas as fotos estão no Flickr, mas selecionei alguns dos produtos mais incríveis que encontrei por um dólar:

Religião

Para os religiosos

Copos

Lindos copo de requeijão (2 por 1, heim)

Copos de shot

Esse não é um dólar, mas é um kit de copos de SHOT de tequila temáticos, com um DVD, e por 2,50 USD

Refrigerante desconhecido

Refrigerante de marca desconhecida, equivalente ao Dolly e com sabores bizarros tipo Tutti-Frutti

ATUM

É como eu sempre digo: atum é fundamental. E aqui é 2 por 1

Anatomia

Estudando anatomia por 1 dólar

Vamos nadar!

Nadar, na Todo a Dollar, é seguro. E colorido

Jonas Bros.

Adesivo de parede do Jonas Brothers, utilíssimo

Uma cueca

O Léo encontrou uma cueca por um dólar. Comprou

APROVECHE

Legumes e frutas, imprescindíveis (PLÁSTICOS - os de verdade costumam ser ainda mais baratos)

Gosta de ler sobre viagens? Visite o http://www.drumbun.com.br - lá eu escrevo só sobre os lugares que visito. :)