OEsquema

A capa da Fortune 500, por Chris Ware

Outra prova de que 2010 está sendo um ano interessante é esta capa da Fortune 500 acima, que foi encomendada para o Chris Ware e gentilmente recusada pelos editores da revista. Ware é um dos grandes gênios (sério) do século 21 e é uma espécie de terceiro irmão Coen, só que ainda mais melancólico e obcecado. O detalhismo de suas obras ultrapassa de longe a nerdice Revell e levam os quadrinhos para um nível de profundidade microscópica, exposto nesta capa para a Fortune, que seria um mero frila para Ware, que não deixou barato e expôs tudo que achava do sistema que sustenta a lista das 500 pessoas mais ricas do mundo.

O desenho não é nada sutil, com helicópteros levando dinheiro estatal para personagens gordinhos no topo da pirâmide, cassinos, o fim do petróleo, Guantánamo, China, México e o resto do mundo sob os EUA. Era uma situação perfeita para Chris: se a Fortune publicasse sua capa (difícil, ele deveria saber) seu recado seria dado, se não ela inevitavelmente apareceria online e daria seu recado. E o melhor dessa história é que há, sei lá, três anos, um desenho desses ia ser considerado anacrônico, revanchista, recalcado… Os ventos estão mudando de rumo de novo.

4 Comentários
por: Alexandre Matias postado em: AHAHAH, HQ, Imagem, Indie, Loki, Paranoia, Pop, Texto tags: ,

4 Comentários

Trackback por uberVU - social comments
27 de abril de 2010 às 11h38

Social comments and analytics for this post…

This post was mentioned on Twitter by conector: RT @trabalhosujo: A capa da Fortune 500, por Chris Ware http://ow.ly/1DCfO #trabalhosujo…

Comentário por Daniel (outro)
27 de abril de 2010 às 11h49

às vezes parece que gênio é pouco pro Chris Ware.

Responder

Pingback por A capa da Fortune 500, por Chris Ware «
27 de abril de 2010 às 14h35

[...] aprovada pela revista) feita pelo Chris Ware, gênio absoluto dos quadrinhos. Dá uma olhada no post original. É interessante observar as críticas que a imagem propõe, motivo pelo qual, a capa não [...]

Pingback por Meu primeiro semestre « Blog da Companhia das Letras
14 de junho de 2010 às 14h48

[...] e, com sorte, mantém uma casa mal ajambrada ― quando não afundada pelo aquecimento global. A capa, é claro, foi [...]

Deixe um comentário