OEsquema

Lucifer Rising: Jimmy Page ressuscita seu passado

O mago anunciou em sua página do Facebook:

On March 20th, the Spring Equinox 2012, the title music for Lucifer Rising and Other Sound Tracks will have its premiere and release.

The title music, along with other musical pieces recorded at my home studio in the early Seventies, have been revisited, remixed and released for the first time.

This is a musical diary of avant-garde compositions and experiments, one of which was to appear on the film Lucifer Rising.

The collection has been exhumed and is now ready for public release. This will be available exclusively on the website.

There will be a standard release on heavyweight vinyl.

In addition there will be a special run of 418 numbered copies. The first 93 copies will be signed and numbered.

There are liner notes and commentary to each track. The tracks are:

Side One
1) Lucifer Rising – Main Track

Side Two

1) Incubus
2) Damask
3) Unharmonics
4) Damask – Ambient
5) Lucifer Rising – Percussive Return

Lucifer Rising foi a trilha sonora que Page fez para o filme de mesmo nome que o cineasta experimental-satanista-alucicreize Kenneth Anger fez em 1972 e que conta com uma ponta do próprio Page. A trilha sonora nunca havia sido lançada – até agora.

7 Comentários
por: Alexandre Matias postado em: Destaque, Loki, Musica, Paranoia, Pop, Talagadas tags: , , ,

7 Comentários

Comentário por LucasCM
19 de março de 2012 às 9h42

já se destrinchou a numerologia por trás do 418 e do 93?

Responder

Comentário por José
19 de março de 2012 às 15h32

Crowley, claro…

418 – Tem 2 fortes significados:

1 – Tem como principal referência, resultado da soma cabalística da palavra Abrahadabra.

2 – No Sistema Thelêmico, a palavra Kiblah refere-se à Estela de Revelação, através da qual o Equinócio dos Deuses foi revelado à nosso Profeta. A “imagem”, “abstração” ou réplica, da Estela estava originalmente colocada na casa do profeta, a propriedade feudal de Boleskine e Abertarff, situado na praia Sul-Oriental de LOCH-NESS na Escócia. O feudo, que era a casa de Crowley naquela época, é conhecido simplesmente como Boleskine, que se pronuncia Boll-ESS-kim. Transliterado n y k c l w b (hebraico) cujo valor numérico é 418.

E o que isso tudo tem a ver?

http://www.jimmypage.co.uk/boleskinehouse.htm

E 93 é fácil, vai…

93,93/93!

Responder

Comentário por Alexandre Matias
19 de março de 2012 às 15h35

Fiquei de cara.

Responder

Comentário por José
20 de março de 2012 às 12h32

Pô, mas que o cara segue (ou seguiu… vide Paulo Coelho…) o Crowley, tu sabe, né?

Abraço!

Comentário por Alexandre Matias
20 de março de 2012 às 12h38

Isso claro, neh :)

Comentário por José Carlos Guantes
19 de março de 2012 às 12h28

Não é dessa época de música experimentais do Jimmy Page que se usou algumas músicas dele que foram parar no Chaves? Eles usavam nos episódios de “assombração” do seriado:

Carole’s Theme / City Sirens / Hotel Rats And Photostats

Responder

Comentário por doggma
19 de março de 2012 às 15h58

“City Sirens” foi composta por ele para a trilha de “Desejo de Matar 2″. Ri muito quando vi tocando no Chaves.

Responder

Deixe um comentário