OEsquema

Elisa e o protesto

Elisa Gargiulo, do Dominatrix, resolveu encarar um protesto solitário.

Muito bom. Vi no Pattoli.

166 Comentários
por: Alexandre Matias postado em: Brasil, Pop, Talagadas, Video tags: , , ,

166 Comentários

Comentário por Daniel Araujo
22 de março de 2012 às 12h11

Mina valente, hein? Sensacional!

Responder

Comentário por danilove
22 de março de 2012 às 12h17

ótimo, e que absurdo meo deus, não entra na minha cabeça, assim como não entra na cabeça deles.

Responder

Comentário por piangers
22 de março de 2012 às 15h38

Não é irônico que a maioria dos manifestantes anti-aborto sejam HOMENS? Só macho falando no microfone, levantando cartaz e intimidando a Elisa.

Bonitona essa atitude dela, que entre um blog de esmalte e outro, tá cada vez mais rara.

Responder

Comentário por Adriana
22 de março de 2012 às 17h01

“Bonitona essa atitude dela, que entre um blog de esmalte e outro, tá cada vez mais rara.”
Bem babaca e preconceituosa essa frase.

Responder

Comentário por Juliana
23 de março de 2012 às 1h57

“Bonitona essa atitude dela, que entre um blog de esmalte e outro, tá cada vez mais rara.”
Bem babaca e preconceituosa essa frase. [2]

Responder

Comentário por Fernanda
23 de março de 2012 às 17h28

Não é preconceituosa…. é pós-conceituosa… :) É fato que o youtube está abarrotado de vídeos sobre maquiagem, esmaltes e afins, e raramente de vê uma mulher se posicionando em relação a assuntos como esse.

Comentário por Bruno Nigro
23 de março de 2012 às 13h54

Desculpe, mas aonde está o preconceito na frase? Por acaso, a grande maioria das mulheres que usam o youtube fazem o que a Elisa fez ou passam a vida falando das mesmas coisas, preocupadas apenas com a zona de conforto, etc?

Uma coisa não invalida a outra. Mas eu queria que a cada 10 vídeos de maquiagem, pelo menos uma dessas vloggers de moda e estilo parasse pra valorizar as conquistas e a luta de mulheres como a Elisa e tantas outras. Talvez, o assunto já estivesse sendo debatido de forma mais contundente. Vejam bem, foi um protesto solitário. Imagina se ali estivessem 10, 20 gurias tal qual a Elisa?! Seria bem diferente, seria ainda melhor.

Infelizmente, algumas ainda preferem viver só no mundinho da barbie. Ué, mas isso é um direito delas, certo? Corretíssimo!

Agora, se pra vocês, alguém citar esse ‘detalhe’ é babaquice e preconceito… paciência.

Responder

Comentário por William
23 de março de 2012 às 20h17

FALOU E DISSE MEU CARO! A questão aki nem é a favor ou contra o aborto, mas sim a coragem de expressar algo sozinho, sem se garantir com um bando.

Comentário por Carlos
26 de março de 2012 às 1h43

Pós ou pré, conceitos sobre grupos ou até pessoas é ofensivo. Deve ser guardado pra si mesmo. Até porque não acrescenta em nada.

Muito pelo contrário… Quando não é nulo, só destrói. Exemplo destrutivo: associar pessoas contra aborto com homens ou associar mulheres com coisas fúteis. Dados não dizem nada nesses campos.

Se 80% dos homens/mulheres são respectivamente contra aborto/favor de ficar pintando a unha no Youtube, isso não diz nada sobre os outros 20% que ainda são homens/mulheres.

Então parem com essas besteiras de “Eu tenho a razão porque eu tenho dados” e se concentrem no principal que é discutir essa questão, a única razão deste assunto ter sido levantado.

ps. Nem adianta vir com o argumento “É chato ser politicamente correto”. Não quer ser politicamente correto vá matar alguém, caso associar “politicamente” com “moralmente” – mate a si mesmo.

Comentário por Adriana
23 de março de 2012 às 20h08

Sim, claro, mulher que tem opinião não se maquia nem pinta as unhas… “Cala a boca Piangers!” e cala a boca Fernanda aí debaixo…

Responder

Comentário por Tiago Salviatti
22 de março de 2012 às 17h48

Porque afinal de contas a maioria dos líderes religiosos são HOMENS, meu caro.

Responder

Comentário por ed
22 de março de 2012 às 17h52

Bem preconceituosa. Vc se esquece que os HOMENS são pais destas crianças. Claro que os HOMENS podem e devem ter opinião sobre o aborto.

Responder

Comentário por Caroline
22 de março de 2012 às 21h05

Podem ter opinião sim, mas não podem ser os protagonistas da discussão. Quem dá a palavra final nesse debate deve ser a mulher.

Responder

Comentário por flavio
23 de março de 2012 às 16h14

A discussão é se existe uma vida ou não no ventre da mulher. Vida é indisponível, a questão está além do corpo da mulher ou não, portanto, se a discussão é sobre a vida os protagonistas dessa discussão devem ser todos, homens e mulheres. Eu sou a favor da legalização.

Comentário por Claudio
24 de março de 2012 às 16h57

Quem falará pelos mudos…

Comentário por Bárbara
22 de março de 2012 às 18h32

Exatamente!
Enquanto os homens forem os protagonistas na discussão da questão do aborto, não haverão avanços!

Responder

Comentário por Daniel
23 de março de 2012 às 9h53

Não haverá*

Responder

Comentário por Jac
23 de março de 2012 às 10h18

O homem deve ter o direito de decidir sobre o seu corpo!

Ou seja, sobre seu espermatozóide. Entre o sptz sair do corpo do homem, e um bebê nascer, quem toma as decisões é a mulher.

Responder

Comentário por Luiz com Z
23 de março de 2012 às 11h31

Você está enganada. Assim como há homens que apoiam a atitude da Elisa, há mulheres com o discurso alinhado ao dos homens que você critica.

Então não é uma questão de gênero. É uma questão de bom senso. E isso tanto homens quanto mulheres podem ter ou não.

Responder

Comentário por Adriana
23 de março de 2012 às 20h09

Sim, claro, mulher que tem opinião não se maquia nem pinta as unhas… “Cala a boca Piangers!” e cala a boca Fernanda aí debaixo…

Responder

Comentário por Ila Fox
22 de março de 2012 às 16h19

Detalhe que só tem homem contra o aborto, e a unica que se manifestou a favor é mulher. Queria saber até onde os homens pensam que entendem sobre o que é carregar um filho indesejável por 9 meses. Até onde eles pensam que podem controlar nossas vidas e nosso útero.

Responder

Comentário por Caroline
22 de março de 2012 às 21h05

Nah, teve a retardada no final gritando q aquilo é eugenia e como é desumano arrancar um “ser humano” (sic) do útero.

Responder

Comentário por Bruno Nigro
23 de março de 2012 às 14h02

Eu penso que é um direito inalienável da mulher decidir sobre qualquer coisa relacionada ao seu corpo. Do esmalte ao aborto.

É uma pena que quase nunca – na verdade, eu nunca vi – se veja homens se posicionando a favor das mulheres nesse tipo de protesto. Nunca vou entender como alguém que se diz ‘pró-vida’ luta contra uma decisão que, por natureza, já é difícil para a mulher – com toda a pressão da sociedade para ser um modelo quase divino de ostentação do status quo da tradição, família e propriedade…

Como um grupo auto-denominado ‘Pró-Vida’, consegue associar um ato de extrema violência contra a mulher e/ou a possibilidade de morrer ao levar uma gravidez de risco adiante, ao conceito de ‘vida’.

Eu perdi alguma coisa processo ou já voltamos à Idade Média?!

Responder

Comentário por Ricardo
21 de março de 2013 às 14h01

A questão é misturar alhos com bugalhos. Numa gravidez de risco para mim é perfeitamente compreensível que uma mulher busque o aborto porque nesse caso e especificamente nesse caso ela está buscando proteger a sua vida. O instinto de conservação é um dos mais primários e básicos. Ponto. Estupro? Eu só posso imaginar a dor emocional e física da mulher que sofre uma ação dessas e ainda engravida. Pessoalmente penso que corrigir um ato de selvageria (do estuprador) com o aborto penaliza o ser em formação que não é o responsável pela dor que a mulher sofreu e sofre mesmo que ela associe o feto ao estuprador, De fato não é aquele bêbê que cresce dentro dela o responsável. Mas compreendo a mulher que busque o aborto nesse caso tanto que a nossa legislação contempla isso, além de acarretar riscos à sua saúde (como saber se o criminoso não era portador de uma doença grave?). Agora, de resto meus amigos, nos demais casos sou e sempre serei frontalmente contra o aborto. Milhares de mulheres especialmente pobres morrem sem acesso à clínicas que quem tem como pagar acessa? É fato! Agora, quem gerenciaria uma estrututra de clínicas abortivas? O falho e falido SUS? Clínicas privadas que cobrariam e não resolveriam o problemas das miseráveis? Será que o tempo, a energia e o dinheiro gastos em criar uma estrutura para o aborto não poderia ser usada para campanhas maciças de distribuição de preservativos/ensino de como usá-los, contraceptivos e até mesmo oferecendo laqueadura de trompas? Por que sempre a opção de matar? Sim, matar! Morrem milhares de mulheres sem acesso a clínicas e a correção é matar, compensar morte com mais morte! Podem vir com o sofisma que quiserem, com a nomenclatura que quiserem (até os três meses não é feto ou o que seja) mas é matar, é assassinar! Quanto às mulheres de posses e esclarecidas, tanto pior: Temos contraceptivios disponíveis há mais de 50 anos e os de hoje são extremamente eficientes. Para quem tem recursos, qual a justificativa? Ah, queria fazer uma pós, queria viajar, sou muito jovem! Vale matar? São milhares de situações, mas não quer? Dê para adoção! Mas não mate! Não julgo ninguém porque sou uma pessoa lotada de erros, mas não matem! Conheço uma pessoa muito próxima que abortou e até hoje ela não livrou do remorso e sabe o que mais? Forçada pelo então namorado que achava tudo muito legal até que…

Responder

Comentário por Ricardo
21 de março de 2013 às 14h10

E tem mais, nesse debate por muitas vezes acalorado, seja da parte dos pró-vida, seja da parte dos pró-escolha, se extrapola. Vamos analisar filosoficamente um argumento recorrente: “A mulher tem a liberdade de fazer o quiser com seu próprio corpo”! Correto, mas o embrião, o feto tem um corpo independente , seu, o feto não é uma extensão do corpo da mulher, ele é uma forma de vida independente. É uma falácia incluir no pacote ‘meu corpo’ o corpo do feto! É uma vida potencialmente viável, não subsiste por si? Pode ser, mas milhares de vacas sobreveveriam por si e ainda sim achamos legítimo manter matadores e nos alimentar delas apenas porque os consideramos formas de vida inferiores a nossa ou porque a nutrição diz ser indispensável vivermos sem os nutrientes que a carne delas nos oferecem…

Responder

Comentário por Maria
22 de março de 2012 às 17h06

Sim, a mulher tem o direito de fazer o que quiser com o próprio corpo, mas não com o corpo do filho dela.
Se você não quer ou não pode ter, dê para alguém que queira! Mas por favor, não mate mais este bebê!

Responder

Comentário por Junior
22 de março de 2012 às 17h52

Com um aborto, a mulher não faria nada além de não utilizar o seu próprio corpo para manter a vida de outro. Um filho indesejado não passa de um endoparasita, que afeta não só física mas também psicologicamente a mulher.

Responder

Comentário por Boris
22 de março de 2012 às 18h15

Como sempre, as pessoas leva anos para olhar pra trás e perceber os erros que cometeram no passado. E a religião sempre está presente!

Sempre funciona desse jeito. Hoje estudamos acontecimentos passados e ficamos boquiabertos com as barbaridades que o ser humano cometeu: Nazismo, fascismo, escravidão, inquisição, ditadura, etc…

Demorará alguns anos para as pessoas perceberem que quem condenava o aborto era um bando de moralistas. Nossos netos lerão nos livros de história sobre uma época em que o povo era ignorante e condenava o aborto, assim como nós lemos sobre um povo ignorante que participou do nazismo e da ditadura.

Infelizmente o ser humano evolui muito devagar e infelizmente os que evoluem um pouco mais rápido são barrados pelo retardo mental da massa popular que assiste BBB, Fantástico, lê a revista VEJA, ouve “Ai se eu te pego” e dá dízimos para os bancos universais distribuídos pelo Brasil afora.

O mundo está perdido =/

Responder

Comentário por Alessandra Oliveira
22 de março de 2012 às 22h44

Fico realmente aliviada por existirem pessoas lúcidas, é realmente uma solidão ficar entre falsos moralistas…. e espero que os livros dêem a eles o nome que merecem: são fofoqueiros, que cuidam da vida alheia e por medo de perderem um pedacinho de céu, são capazes das maiores incongruencias que existem… Seu comentário Boris foi muito bom, parabéns

Responder

Comentário por Netos?
26 de março de 2012 às 10h23

Mas que netos? Cê não vai abortar?

Responder

Comentário por Anna Paula
22 de março de 2012 às 18h40

A partir do momento em que o corpo é da mulher e esse filho não apareceu por obra do divino espírito santo (e mesmo se tivesse, a mulher o direito de dizer se aceita ou não), mas sim por um estupro, uma trauma, ela tem SIM o direito de fazer O QUE QUISER com ele. Afinal, é do corpo dela que ele depende. Eu gostaria de ver se homens começassem a ser estuprados a torto e à direito. Como vocês se sentiriam? Vocês teriam no máximo 2 consequências: vergonha e/ou uma DST. Nós, mulheres, ainda temos que passar por esse tipo de exposição, quando pessoas alheias acham que podem decidir se devemos ou não passar 9 meses carregando o filho de um estuprador no nosso ventre e ainda por cima dá-lo à luz. Mesmo que depois dê a criança para adoção, isso não importa. Toda mulher que fica grávida passa 9 meses fazendo exames pré-natal, vendo seu próprio corpo se transformando, a barriga aumentando, os pés inchando… E as pessoas ao redor perguntando: “E o pai?”. Não é o caso de uma gravidez por inconsequência — pra isso existe camisinha e pílula. É a vida de uma mulher completamente destroçada por um filho da puta.

Responder

Comentário por Raquel
23 de março de 2012 às 15h28

Só para complementar: é também considerado estupro se o homem quis transar sem camisinha e a mulher não permitiu, mesmo assim o ato foi feito sem. Depois dizem que os dois fizeram né, e a mulher que arca com a culpa toda, sabemos bem que existe uma pressão masculina para o não uso da camisinha, e aí, a mulher tem que aguentar a gravidez igual?

Responder

Comentário por rudinei
23 de março de 2012 às 20h40

nossa as mulheres estão sendo estupradas torto a direito, quantas vezez vc ja foi estuprada mesmo?vcs falando dos moralistas , religiosos hipocrias e homens (que no seu mundo são monstros estupradores)vc tão ai de mimimi na net reclamado pq n vão la e fasem um protesto pro aborto em suas acomodadas? gostão de fofocar mas na hora de participar ativamente de uma decisão bota a cara a tapa n tem coragem, sentem vergonha de defender seu ponto de vista de serem discriminadas por terem opinião propria, falam que são mais evoluidas que os outros estão vivendo na idade media, mas sabe aquelas mulheres da antiguidade que lutaram por direitos iguais pelo voto e talz dão de 10 a 0 em vcs bando de maria fofoqueira hipocrita oq vcs estão esperando pra fazer um protesto pro-aborto? eu respondo estão ai de mimimi esperando q apareça um homen q as apoie e tome frente nas coisas pq vcs n querem pra si a responsabilidade de tomar uma decisão desse tipo, pq só tão quendo atenção querm ser as protagonistas querm ser o centro da discução, mas o foco é a criança que n é propriedade de vcs q não tem o mesmo dna de vcs logo é um ser diferente e deve ter direitos como qualquer ser humano, sou a favor q a mulher possa optar pelo aborto da mesma forma q sou a favor do porte de armas do mesmo modo q se alguem matasse um filho meu dentro ou fora do utero eu mataria essa pessoa

Responder

Comentário por Marcelo
26 de março de 2012 às 15h52

e Matar o Português pode né…

Comentário por Caroline
22 de março de 2012 às 21h06

Não é um bebê. Nenhum bebê está sendo morto. É um embrião, sem consciência, sem capacidade de sentir dor, sem senso de auto-existência. Isso é emocionalismo chantagista. Informe-se.

Responder

Comentário por Joseane
31 de março de 2012 às 13h41

Sem capacidade de sentir dor??

Embrião com seis semanas de vida

Nesta fase, o embrião está medindo aproximadamente 1,5cm, está envolto pela bolsa amniótica, que o protege contra choques mecânicos e micro organismos nocivos.Ele já possui membros superiores,e existe uma nítida separação entre a cabeça e o tronco.Nas primeiras semanas, esse saco que envolve o feto, tem a função de gerar nutrientes e células sangüíneas para o embrião e, ao fim de dois meses o saco não será mais necessário, e murchará.

A rede de vasos que vemos por fora da bolsa é a placenta.A placenta será responsável pela alimentação do bebê, a partir do momento em que o saco que envolvia o bebê, tenha cumprido a sua função.O embrião passa a receber através do sangue da mãe, todo tipo de nutrientes ingerido pela gestante, além de oxigênio e água.As veias da placenta têm a função de filtrar as toxinas que podem fazer mal ao feto, devolvendo a corrente sangüínea da mãe, tudo o que o feto não necessita para o seu desenvolvimento.Porém, algumas toxinas podem ser absorvidas pela placenta e dirigidas ao feto, como o álcool, e a nicotina.

Informe-se ;-)

Concordo com o Leo no coment abaixo: “Eu sou contra o aborto e a favor do direto ao aborto. Nao quero o Estado dizendo o que fazer ou não fazer.”

Cada um tem o direito de escolha.

Responder

Comentário por Ricardo
21 de março de 2013 às 14h15

Palmas! Mais um argumento recorrente falacioso: “Ele não tem consciência”! As vacas tem bastante consciência da sua vida tanto que perguntem a algum tropeiro se moram no RS qual a reação destes animais quando são encaminhados para o matadouro! Mesmo assim são mortas implacavelmente! Se o que me impede filosoficamente de matar, de eliminar, de dar um fim é a presença da consciência, depredemos todas as formas de vida que não tem consciência se atende aos nossos interesses!

Comentário por leo
22 de março de 2012 às 18h16

Eu sou contra o aborto e a favor do direto ao aborto. Nao quero o Estado dizendo o que fazer ou não fazer.

Parabéns Elisa pelo protesto.

Responder

Comentário por Anna
23 de março de 2012 às 1h29

Parabéns! Esta cada dia mais dificil encontrar pessoas que mesmo sendo contra algo, acreditam que cada um deva escolher o melhor para si mesmo!

Responder

Comentário por Netos?
26 de março de 2012 às 10h26

Mas não é por si mesmo – ao abortar vc está decidindo por uma vida que ainda não tem consciência, não por vc mesma. Depois do impulso inicial da vida, não é mais uma coisa no corpo da mulher, é uma vida, com tudo de bom e ruim – e de humano – que pode sobrevir. Vcs acham que a mulher que tem essa vida dentro de si tem o direito de escolher – sim, claro que tem: escolha ANTES de criar a vida dentro de si. Depois, qualquer escolha não é mais sua; vc está decidindo o destino de outra vida humana.

Responder

Comentário por monica
22 de março de 2012 às 18h43

kkkkkkkkkkkkkkkkkkk engraçado o jeito desconfortável que ficaram.
Também acredito que quando o Estado parar de interferir em tais decisões teremos um progresso, apesar de ser contra o aborto. Uma das poucas atitutes que eu esperaria do governo caso a escolha ao aborto seja um direito é eles fiscalizando a mídia em torno do aborto e o mercado por trás dele que terá.

Responder

Comentário por Adib
23 de março de 2012 às 1h57

Que “mercado por trás dele” seria esse? Mercado milionário hoje é contra ele, o das igrejas. Esse mercado sim, deve explodir se o “infanticídio” for descriminalizado.

Responder

Comentário por Ariel Cardeal
22 de março de 2012 às 18h46

“Ninguém sem braço vai poder nascer!”

Responder

Comentário por Bruno Nigro
23 de março de 2012 às 14h03

Essa aí tava querendo uma vaga no CQC ou na Turma do Didi… só pode.

Responder

Comentário por Rosa Santos
22 de março de 2012 às 19h01

Muito bom, Elisa. O mesmo direito que eles têm de ocupar espaços públicos defendendo o que pensam, você, eu e todos os outros temos.

Parabéns pela atitude!

Responder

Comentário por Mariele Rodrigues Moreira
22 de março de 2012 às 19h02

Grande parte dos métodos abortivos cruéis utilizados ilegalmente foi criado por homens, são eles também quem não permitem esse que é um direito da mulher de decidir sobre seu próprio corpo e sua vida! Até quando?

Parabéns à Elisa pelo protesto!

Responder

Comentário por Anonima
22 de março de 2012 às 19h31

já passei por uma gravidez indesejada! Mas não matei o bebê!! não tenho religião, não quero o estado influenciando em minhas decisões, mas NÃO É CERTO ASSACINAR!!!!!

Responder

Comentário por Caroline
22 de março de 2012 às 21h04

Não é um bebê, é um embrião. Informe-se a respeito das diferenças.

Responder

Comentário por Adib
23 de março de 2012 às 2h00

Caroline, o lugar de onde vem o discurso da anônima aí acima é o mesmo de onde vêm fotos de embriões de poucas semanas com todos os dedinhos e com a cara do Michel Teló. Ela tem que se informar em fontes melhores.

Responder

Comentário por Becca
23 de março de 2012 às 0h10

Então não assacine (sic) o português, por favor.

Responder

Comentário por Patricia
23 de março de 2012 às 13h52

Assassinar é o que você fez com o português!

Responder

Comentário por Bruno Nigro
23 de março de 2012 às 14h05

Também não é certo assassinar o português. Pense nisso.

Responder

Comentário por Fabio Bracht
22 de março de 2012 às 20h07

Foda PRA CARALHO essa atitude dela.

Foi lá, silenciosa, com um cartaz dos mais humildes, com a sua mensagem e nada mais.

Foi o suficiente pra afetar a mente de todo mundo que tava ali. Foi lindo de observar, não foi? O tiozinho do microfone com a atitude de “beleza, é um espaço público e democrático”, mas por dentro provavelmente querendo chutar ela dali; o cara que, como quem não queria nada, entrou na frente dela; a senhora que começou a gritar e espernear como se tivessem abortado o filho DELA ali mesmo; o outro que simplesmente enfiou o cartaz dele na frente do dela (na minha opinião, o pior e mais covarde de todos)…

Não é incrível como agimos quando nossas identidades e crenças são desafiadas em um nível sutil e, ao mesmo tempo, profundo e direto?

Obrigado, Elisa.

Responder

Comentário por Nathália
23 de março de 2012 às 12h58

Fábio, Você definiu tudo.

Parabéns e muito abrigada, Elisa!

Quando um hipócrita vier afirmando que é contra o aborto aconselho usar o argumento que meu pai usa e agora eu e outros amigos usamos também:
“Ok, você que é contra o aborto, me diga, o que você fez pela vida de UM NÃO ABORTADO hoje?!?”

Responder

Comentário por Joseane
31 de março de 2012 às 14h08

Eu cuido da vida de uma não abortada: minha filha! E antes que venha me dizer que cuido porque é minha filha lhe digo que participo de ações sociais em orfanatos, crianças não abortadas, saca?
Então ser a favor do aborto a livra de qualquer preocupação com o ser humano ou fazer algo pela sua vida? Não deixa de ser hipócrita também.

Responder

Comentário por Joseane
31 de março de 2012 às 14h10

P.S: “Eu sou contra o aborto e a favor do direto ao aborto. Nao quero o Estado dizendo o que fazer ou não fazer.” (leo)

Comentário por Aline
22 de março de 2012 às 20h19

Acho que nunca passei tanto tempo com frio na barriga de assistir um vídeo. Eu me senti acuada como se fosse a Elisa.
Sou a favor da descriminalização do aborto e tudo o mais, me identifiquei completamente com ela.

Mas fiquei pensando: o espaço da cidade é democrático, mas se infiltrar em uma manifestação contrária é uma boa tática? se fosse o contrário, manifestante(s) antiaborto que entrassem em um protesto pró-aborto, como lidaríamos?
acho que ela foi muito correta na postura, sem querer discutir, nem peitar – sequer dizer que era a favor do aborto, mas só marcando a memória de mulheres vítimas de procedimentos ilegais. foi lindo. mas enfim. fiquei com essa pulga.

Responder

Comentário por Lizz
22 de março de 2012 às 21h02

Você vê na postura das pessoas presentes ali a necessidade de tentar sufocar a opinião dela… triste demais, porque é o mesmo que gritar durante uma discussão. Perde-se a razão quando se o faz.

Responder

Comentário por Signature
22 de março de 2012 às 21h42

Até onde vi a moça desejava prestar homenagem a pessoas que morreram… Desejaram impedir. Resultado: desrespeitaram os mortos… Simples assim…

Responder

Comentário por Alexandre Matias
22 de março de 2012 às 22h43

Nossa, q asneira.

Responder

Comentário por Paulo Rená
24 de março de 2012 às 14h06

uhahahahahahahahaha
Não tenho certeza se é um troll ou só um estúpido.
Mas o Mathias só se manifestar, em meio à toda a polêmica, pra pontuar uma asneira, é impagável.

Responder

Comentário por ana
22 de março de 2012 às 21h43

Se o estado é laico (sem religião), então porque a maioria dos manifestantes contra o aborto é de alguma instituição religiosa?

Responder

Comentário por Fernanda
26 de março de 2012 às 19h38

Questoes como aborto nunca vao ser seriamente discutidas enquanto houver uma bancada evangelica no congresso… Estado Laico ainda tá looonge

Responder

Comentário por Alessandra Oliveira
22 de março de 2012 às 22h36

Fico realmente muito indignada com o mundo feroz q se levanta contra o aborto: 1) Nem todas as pessoas têm as mesmas crenças, 2) Quem decide sobre ter ou não um filho deve ser quem vai balançar, porque ninguém depois de nascida a criança vai se dedicar a pagar escola, convênio e alimentação pra tal criança, nem o governo inclusive 3) é um problema de saúde pública, morre-se mais meninas cometendo aborto em clínicas e açougues clandestinos porque nosso governo que deveria ser laico fica a mercê da patota evagelica carola 4) Minha crença diz que feto não tem alminha, mas quem faz o aborto tem uma quantidade imensa de culpa pra ficar carregando por conta de gente se meter na vida alheia… Parabéns Elisa, sinto por ter sido um protesto solitário, porque se eu soubesse com certeza vc teria meu apoio… Como agora o têm…. Meu país é composto por uma sociedade hipócrita que fecha os olhos para problemas de saúde pública porque não tem culhões pra se desfazer do apoio dos corruptos em Jesus… Pena, asco, e um misto de palavrões permeiam a minha cabeça que tem vontade de gritar bem alto: Cuidem das suas vidas e de seus nascidos e ainda se não faz parte da solução por favor não se intrometa no problema… Falsos moralistas contraditórios, aprendam a amarrar seus sapatos, gastar o que ganham sem tomar de outrem e depois só depois se quiser ajudar, adote todas as crianças que vivem até os dezoito anos nos orfanatos que vcs fingem não existir… Bando de cretinos….

Responder

Comentário por Anderson Menezes
22 de março de 2012 às 22h40

O que falta na maioria de nós e sobra no exemplo da Elisa: coragem, convicção e atitude.

Responder

Comentário por nathalia
22 de março de 2012 às 23h12

protesto mais sincero que vi atualmente

Responder

Comentário por joana
22 de março de 2012 às 23h34

Compartilho o depoimento da Elisa sobre o ato.

TIREM SEUS ROSÁRIOS DOS NOSSOS OVÁRIOS | Depoimento da Elisa sobre o ato dos pró-morte hoje, na praça da Sé, SP: “Foi muito agressivo o jeito que os pro-morte me intimidaram e me empurraram com seus cartazes horrorosos. Depois disso, ficaram nos perseguindo e intimidando, aos berros, com direito a TFP e skinheads. Fiquei muito triste. Não só com a truculência mas com a quantidade ridícula de pessoas que estavam lá com a gente. No total eram 7 pessoas se posicionando a favor da legalização do aborto e contra a morte das mulheres. 7 pessoas. De lá, a marcha seguiu pro fórum João Mendes e o bispo Bergonzini protocolou ação pessoal contra o blog das Católicas Pelo Direito de Decidir. Ele exige que as Católicas não mais citem seu nome e ainda pede indenização de 600 mil reais. Fico pensando na violência que sofri hoje e quantas mulheres morreram pra que tivéssemos o direito de protestar e senti certa raiva de quem não bota a cara nas ruas, ficam apenas nas redes sociais. A luta é difícil, eu sei, mas nada vai vir via tuitadas. Estamos lutando pelas vidas das mulheres.”

Responder

Comentário por Rogeria Peixinho
23 de março de 2012 às 1h39

Querida Elisa, parabéns pela coragem!!
Quero te contar que no mesmo dia 21, estávamos com 25 mulheres de vários estados do Brasil em Brasilia, fazendo um protesto contra a MP 557 – a Medida Provisória que cadastra e vigia todas as grávidas do País!! Fomos agredidas com socos e empurrões pelos seguranças da Câmara dos Deputados!! (veja fotos em meu facebook)
Concordo com vc que é frustante ter somente 7 pessoas com vc em SP e somente 25 com a gente em Brasilia, mas saiba que somos muitas, tem muitas feministas nessa luta com a gente…o poder das igrejas e do machismo é grande, mas não vai nos deter!!
o importante é que seguimos firmes na Luta pelos Direitos das Mulheres, na luta contra o controle do nosso corpo pelo Estado, pela Igreja, pelos padres e bispos!!
Seguimos na luta.
Grande abraço e mais uma vez parabéns pela coragem de enfrentar esses fundamentalistas, vc correu risco de morte, eles são capazes de qualquer coisa…

Responder

Comentário por Rafael
22 de março de 2012 às 23h49

Queria ver se eu mostrasse um feto de 4 semanas e colocasse do lado de um feto de macaco ou cachorro se algum deles ia saber dizer a diferença. Não entendo o que que é tão difícil de entender que um amontoado de células não é um ser vivo.

Responder

Comentário por Maria Amélia
23 de março de 2012 às 1h16

talvez vc seja ainda um amontoado de células apenas.

Responder

Comentário por kelly
23 de março de 2012 às 0h05

O problema é não é ter opiniões distintas, oque aconteceu foi uma falta de respeito, todo mundo tem direito a expor suas ideias de maneira digna.

Responder

Comentário por Cintia
23 de março de 2012 às 0h06

Bom, eu sou adotada e sou contra o aborto porque? Por que ao realizar um aborto você está tirando um direito a vida de outro ser, se a minha mãe biológica tivesse me abortado ao invés de me doar? Se a criança for consequência de um estupro ela também merece viver, afinal é uma vida se formando, uma nova existência, um novo mundo, você vai cortar esse direito dela? Sou contra, não sou religiosa, sou estudante de ciências sociais, sou esquerdista, mas sou adotada e é fácil você ser a favor do aborto depois q já nasceu né?

Responder

Comentário por Maria Amélia
23 de março de 2012 às 1h15

É. Sua resposta é a mais lícida, e simples, pq geralmente é assim.

Responder

Comentário por Eraldo
23 de março de 2012 às 9h31

Quem decide é a mãe. Ponto. Não gosta de aborto? Não faz.

Responder

Comentário por Eraldo
23 de março de 2012 às 9h32

Ei Cintia, o comentário não era pra ser uma resposta ao seu. Mesmo que possa servir como tal :)

Responder

Comentário por Jac
23 de março de 2012 às 10h22

Cintia, se sua mãe biológica tivesse abortado, você não ia se importar porque você nem seria viva na época do aborto.

Mas vale o que o Eraldo disse. Se você é contra o aborto, não faça um. E deixe cada mulhere decidir sobre o corpo e o destino dela.

Responder

Comentário por Fabio Bracht
23 de março de 2012 às 10h56

“e é fácil você ser a favor do aborto depois q já nasceu né?”

Consideravelmente mais fácil do que ser contra o aborto antes de ter nascido, sim.

Responder

Comentário por Eliza
23 de março de 2012 às 15h47

Sorte sua que foi adotada! Quisera todos os que ainda esperam por uma adoção, ter o mesmo destino que o seu!

Responder

Comentário por Eliza
23 de março de 2012 às 15h47

Meu sobrenome é Avila. Não sou mesma Elisa do vídeo ok? Antes que alguém pense isso, achei melhor esclarecer… ;)

Responder

Comentário por roberta
2 de dezembro de 2012 às 11h21

eu também sou contra o aborto
é a vida do outro ser q ñ tem nada a ver c os problemas externos
mas sou a favor da legalização do aborto sim
ninguém vai deixar de realizar o aborto pq é ilegal
se a mulher decidir abortar (oq eu ñ acho certo!) que seja feito com segurança
tenho amigas q quase morreram ao tomarem chás e pílulas abortivas
muitas mulheres morrem… qd a pessoa tem dinheiro recorre a uma clínica clandestina, qd ñ tem fica à mercê de “açougueiros”
eu sou a favor da vida!
quem é contra não vai abortar só pq é legalizado
oq vai mudar é a segurança das mulheres q decidirem por isso
e isso é positivo… é um progresso
devemos ter as nossas opiniões e respeitar as dos outros (isto é p todos)

mas voltando ao foco, parabéns elisa!!! pela atitude e coragem!!
são pessoas como vc q fazem do mundo um lugar melhor

Responder

Comentário por patrícia
26 de julho de 2013 às 13h50

expressou minha opinião *

Responder

Comentário por Guilherme
23 de março de 2012 às 0h09

Sabe quando eu ia ter a coragem dessa menina?
Nunca.

Responder

Comentário por coiote
23 de março de 2012 às 1h03

Babei ovo, cara, mesmo.

Aqui, um pouco de George Carlin sobre babacas “pró-vida” (em inglês, que é o que tem): http://www.youtube.com/watch?v=AvF1Q3UidWM

Responder

Comentário por Maria Amélia
23 de março de 2012 às 1h13

Até quando criaremos mais problemas na tentativa de resolver outros?
Até quando passarmos a olhar pra dentro de nós.

Responder

Pingback por A manifestação de Elisa | Pois bem
23 de março de 2012 às 4h11

[...] do aborto, Elisa Gargiulo, integrante da banda Dominatrix, resolve se manifestar. [via Trabalho Sujo]Leia também:Bonecos de cera assustadoramente bem feitosProposta de lei pretende censurar a [...]

Comentário por Dallila
23 de março de 2012 às 4h38

LEGALIZE JÁ!

Responder

Comentário por Patricia Fróes
23 de março de 2012 às 6h56

Enquanto a religião continuar tendo uma bancada no Senado, a legalização do aborto nao vai acontecer. Esse discurso ridículo e moralista de que é umassassinato é absurdo, orfanatos lotados, crianças jogadas no rio, mulheres que morrem ao abortar …

Responder

Comentário por rudinei
23 de março de 2012 às 20h55

é verdade vamos abortar tbem as crianças sem lar, no orfanatos deficientes, esse bando de adolecente rebelde q só incomoda os pais vamos abortar todos

Responder

Pingback por O protesto solitário de Elisa « Bem que se Quis
23 de março de 2012 às 7h33

[...] (via Trabalho Sujo) Rate this: Compartilhe!Gostar disso:GostoSeja o primeiro a gostar disso post. [...]

Comentário por João Renato Faria
23 de março de 2012 às 9h33

” é fácil você ser a favor do aborto depois q já nasceu né?”
Claro, até pq, antes de nascer, é meio difícil fazer alguma…

Responder

Comentário por Eliza Avila
23 de março de 2012 às 15h50

KKKKK. Penso a mesma coisa Renato! Quem é contra o aborto já nasceu também, uai! hehehe

Responder

Comentário por João Renato Faria
23 de março de 2012 às 9h35

alguma coisa…

Responder

Comentário por Rodrigo Dias
23 de março de 2012 às 9h47

Existem técnicas para se ganhar um discurso quando não se tem razão. Exemplos:
1) Chamar aborto de assassinato, quando o infanticídio (praticado pela mãe em certas ocasiões aceitas em muitas sociedades) é algo intermediário. Assassinato não é aceito em nenhuma sociedade.
2) Chamar embrião e feto de criança ou bebê.
3) Achar que quem é vivo sentiria falta de alguma coisa se não tivesse nascido.
4) Defender a vida e ignorar a qualidade da vida, relacionada à superpopulação, escassez de recursos, etc.
5) Confundir mitologia com verdade.
6) Achar que o Estado deve defender opiniões de algumas religiões, quando é laico, ou seja, sem religião alguma.

Responder

Comentário por Lenita Tonon
23 de março de 2012 às 10h18

Acredito que uma gravidez não planejada pode ter uma baita repercussão negativa na vida de uma mulher; acredito que a mulher deve e tem que ter poder sobre seu corpo e suas decisões; sou à favor do aborto nos casos de violência sexual… mas acima de tudo sou à favor da vida; sou à favor ao acesso às práticas de controle de natalidade. Não acho que o aborto deve ser adotado como método contraceptivo. A mulher precisa ter acesso à informação, ter poder de decisão, e decidir quando quer ou não engravidar! Isso sim é poder decidir sobre seu corpo. Acho errado dizer que não quer engravidar depois que se está grávida… Sei, infelizmente, que muitas mulheres não têm clareza nos métodos contraceptivos ou até mesmo acesso à eles, que muitas vezes são caros… Por isso, penso que devemos lutar por programas de saúde da mulher que funcionem, que informem, que previnam a gravidez… e não que incluam o aborto como método! Afinal, o aborto também é uma baita violência contra o corpo da mulher.

Responder

Comentário por Jac
23 de março de 2012 às 10h31

” é fácil você ser a favor do aborto depois q já nasceu né?”

>>> É fácil você ser contra o aborto quando não é você que ficará com um feto indesejado dentro do seu corpo – e depois acordar na madrugada e trocar fraldas e ver seu orçamento estourar e podendo ver seu futuro profissional ir por água a baixo e educar e cuidar um filho indesejado por 18, 20, 25 anos (ou ter que abandonar o bebê para tentar a sorte de ser adotada).

(y)

Responder

Comentário por Fernanda
26 de março de 2012 às 19h43

Voce esqueceu de dizer que é facil ter um bebe e depois jogar ele na lata de lixo ‘-’

Responder

Comentário por Ricardo
21 de março de 2013 às 15h46

E não deve ter sido nada fácil para sua mãe tê-la criado. Mas aqui está você opinando a favor do aborto porque sua mãe renunciou e ficou noites em claro para você ter o direito de existir e estar aqui opinando. Fácil deve ser tomar todas e transar despreocupadamente. Fácil deve ser mesmo tendo acesso a informação como deves ter e deixar de usar contraceptivo e culpar uma gravidez indesejada (que é o resultado natural do contato do espermatozoide com o óvulo). Se sua vida profissional é tão importante, você como uma mulher informada use contraceptivos que já existem a mais de 50 anos! É tão insano como tendo uma úlcera encher a cara de trago e reclamar depois do direito de que sua úlcera não perfure. Se você é informada, use contraceptivos, mas não mate, chame o que mata de embrião ou feto!

Responder

Comentário por Ricardo
23 de março de 2012 às 11h02

Enquanto o homem continuar acreditando que tem alma, que é um ser especial perante os outros, que é uma personificação do “divino”, NADA nesse planeta vai funcionar.

Sou contra o aborto sem motivos, apenas por ser indesejado, não planejado ou algo assim. Acho que as pessoas tem que assumir a responsabilidade de seus atos, ou seja, o produto do sexo sem prevenções anti-concepcionais.
Mas aborto em condições de estupro, ou quando a saúde da mulher está ameaçada, acho justo , necessário e que estamos mais do que atrasados nesse conceito.

Aos contrários ao aborto digo apenas uma coisa: Ninguém vai remover o seu feto, ou de sua parceira, ou de sua filha, sem que seja vontade da mesma. PAREM de usar suas crenças para tentar regular dos outros. Nem todos compartilham da mesma forma de pensar que você e a LEI tem que ser pra todos, não só para vocês.

Responder

Comentário por Mila X
23 de março de 2012 às 11h39

Legalmente ou não a realidade é que a mulher que quer aborta e ninguém nem que queira consegue impedir.
Isso é fato.
E assim continuará sendo independente de qualquer lei ou moralismo religioso.
A mulher sempre terá o poder de decidir.

Porém, algo me diz que talvez um ativismo em prol da conscientização feminina muito mais interessante seria em relação à prevenção: PREVININDO-SE NÃO HÁ GRAVIDEZ, SEM GRAVIDEZ INDESEJADA NÃO HÁ ABORTO, SEM ABORTO NÃO HÁ O SACRÍFICIO DE UMA VIDA GERADA NO PRÓPRIO VENTRE E TUDO O QUE ISSO PODE IMPLICAR FÍSICAMENTE, PSICOLÓGICAMENTE, FILOSOFICAMENTE, ETC.
Que tal conscientizar as pessoas que elas devem ter poder de decisão nas suas vidas, pra começar?
vejo aqui muitas defesas superficiais do aborto, isso ta me parecendo de verdade uma coisa ultrapassada, palavras de ordem estereotipadas de quem quer se sentir feminista, ou puro marketing. Ser feminista é muito mais do que isso. Ser feminista é também considerar a vida da futura mulher que está sendo gerada no ventre de uma.
Quero deixar aqui bem claro que não sou crente de nenhuma religião, detesto evangélicos e odeio católicos. Acho ainda mais rdículos satanistas e coisas do tipo.
Pelo que lí aqui tenho a impressão de que as mulheres engravidam bebendo água ou simplesmente respirando, pois, como se não pudessem ter decisão de poder sobre suas vidas, mas reinvidicando o poder de decisão de eliminar uma outra vida.
Mulher: a DECISÃO É SUA. MAS TUDO TEM UM PREÇO.
Quanto à garota vocalista-performer/riot do vídeo, seu marketing me soa deveras pedante. Não sabe e nunca vai saber o que é o conflito psicológico na cabeça de uma mulher que pratica o aborto, nunca vai saber o que é gerar um vida, etc… Nunca vai ser pressionada por outras pessoas a abortar… Ser mãe é algo inconcebível para a Elisa Dominatrix. Detesto preconceito travestido de libertarianismo……. Sorry. vivaanarquia@live.com

Responder

Comentário por João P.
24 de março de 2012 às 1h42

“Ser mãe é algo inconcebível para a Elisa Dominatrix.” Só porque ela é lésbica? Que coisa mais agressiva e absurda. Fala igual o povo reacionário da igreja. Você já perguntou se ela pretende ser mãe? Parece recalque essa sua fala. Pq não foi você lá então, já q se acha a DONA do discurso político ideal?

Responder

Comentário por Mila X
23 de março de 2012 às 11h41

Não conheço ninguém que praticou o aborto e continua defendendo.

Responder

Comentário por Bruno
23 de março de 2012 às 18h35

Eu conheço… pelo menos duas amigas muito próximas. Não se arrependem e continuam defendendo. Aliás, existem muito mais mulheres que praticam aborto do que a gente imagina (certamente muito mais perto do que a gente imagina), mas como é assunto delicado e elas se sentem discriminadas, obviamente não saem por aí falando. Seria interessante se elas “saíssem do armário”, pois ao conhecer de fato uma mulher que passou por isso é muito difícil julgarmos com moralismo e condenar a torto e a direito.

Responder

Comentário por Roberto Simões
23 de março de 2012 às 11h48

Nós homens, a vida INTEIRA, quando nossas mães falam e nos passam um fora, baixamos a cabeça em respeito, normalmente, porque elas tem razão.
Se uma mulher, sua mãe ou não, externa sua opinião, baixe a bola, abaixe a cabeça e a respeite. Foi dela que você veio, porque ela o permitiu e desejou e cá pra nós, em muitos casos, nem devesse.

Responder

Comentário por Mila X
23 de março de 2012 às 11h48

Se alguem subisse no palco pra protestar contra a bosta de música que ela faz ela acharia bacana? kk

Responder

Comentário por Lizandro
23 de março de 2012 às 12h06

A raiz do problema que é o controle da concepção, ninguém ataca. Salvo pelo estupro, AMBOS – pai e mãe – deviam pensar em contracepção. Sou muito favorável à vasectomia masculina, aos métodos anticoncepcionais femininos, enfim, tudo que deixe o prazer livre da possibilidade (veja bem, possibilidade, não AMEAÇA) duma gestação. Mas uma vez feito…não foi ato em conjunto? As moças / meninas / mulheres devem ter o direito ao aborto, mas usar isso como contracepção “a posteriori” me soa como incapacidade de controlar a própria vida e depois descarregar isso num nascituro. O foco não é tanto o sexismo, mas sim as (tortas) idéias religiosas, como inculcar a culpa no prazer. Sem repensar isso, com aborto ou sem aborto teremos falácias e monstruosidades sendo ditas (me enojei de ter visto alguém aqui acima definir embrião / feto como uma forma parasitária).

Responder

Comentário por Janaina Rochido
23 de março de 2012 às 12h14

“Toda mulher, quando chega no final da gravidez, acaba aceitando aquele filho” – PUTAMERDA, então é de boa a mulher passar os outros 8 meses e meio desesperada por carregar o filho de um ato monstruoso na barriga POR OBRIGAÇÃO, né? “Acaba aceitando” – meu Deus, que vida mais triste o de uma mulher obrigada a isso – poder de escolha das mulheres sobre seu próprio corpo JÁ!

Responder

Comentário por daiane
23 de março de 2012 às 13h03

Elisa, parabéns pela atitude.
ganhou minha admiração.

Responder

Comentário por Patricia
23 de março de 2012 às 13h41

Eu vou ser sincera, tenho um filho…minha gravidez não foi planejada e jamais me passou pela cabeça aborta-lo.

Eu acho que não é nem a questão de direitos, se a mulher tem ou não direito de tirar a vida do filho, e sim uma questão de saúde…não adianta ficarmos discutindo que o aborto é o assassinato de uma vida, pq enquanto estamos discutindo tem muitas mulheres usando métodos inimagináveis para abortar, e muitas vezes mulheres morrem por conta deles…crianças nascem com diversos problemas por conta de um aborto mal sucedido, então enquanto o foco for “Assassinato” de uma vida e não “Preservação da vida” as pessoas vão viver nesse conflito de mente fechada fazendo protestos e etc.
Eu começei dizendo que eu tenho um filho…pq meu filho não foi planejado, veio em uma hora completamente conturbada da minha vida, mas meus valores como ser humano e mulher e de ter o apoio de todos, inclusivo do pai, me fez assumir a responsabilidade do meu ato…e hoje meu filho é o meu maior bem, e com certeza por ele faço tudo.
Agora quantas mulheres engravidam por ai sem sequer saber quem é o pai, assumem a responsabilidade, mas traao o filho que nem lixo, não da ao filho o básico, não da amor..criança não é só um ser indefeso, criança é um ser que vem ao mundo com a mente em branco e que aprende rápido tudo que o meio em que vive lhe proporciona, uma criança criada sem amor, sem carinho…sem o básico vai se transformar um adulto problemático…entre outras coisas.
Muito fácil para quem esta de fora dizer…tenha o filho mas coloque para adoção…e quantas crianças estão em lares de adoção e passam anos esperando um pai e uma mãe..sonham em ter uma família e essa nunca vem?!

Olha gente, todo mundo tem opinião para tudo, e julga muito…mas ngm tem o direito de dizer o que é certo ou o que é errado, cada um sabe a cruz que carrega.
O que não admitiria é transformar o aborto é um método contraceptivo, pq para isso existem mtos e gratuitos métodos…por isso é preciso conscientização da população do que o aborto acarreta fisicamente e psicologicamente.

Responder

Comentário por Patricia
23 de março de 2012 às 13h43

A, esqueci de falar da Elisa, que na minha opinião foi muito corajosa e correta…vivemos em uma democracia…todos temos direito de nos expressar, ainda mais se tratando de um lugar publico.

Responder

Comentário por bruna martinelli
23 de março de 2012 às 14h34

elisa maravilhosa.

Responder

Comentário por Cristiane F.
23 de março de 2012 às 14h42

Sou do Rio de Janeiro e quero deixar registrado que sou totalmente a favor do protesto da Elisa.
Note que no vídeo o “palestrante” cheio de bla bla bla, enquanto enrolava para dar a resposta da pergunta que lhe foi feita, disse claramente: “Aqui é um espaço democrático!” E onde é que teve democracia ali??? Sufocaram a Elisa tentando tampar o cartaz dela, sufocaram-na para abafar o que ela tentava expressar. As pessoas são a favor ou contra alguma coisa, até que sofram na pele o mesmo fato para resolver então, “mudar a opinião”.
O que dizer então sobre um padastro que estuprava duas enteadas uma de 11 e outra de 16 e que já vinha fazendo essa atrocidade há 6 anos e ainda assim era protegido pela mãe das menores??? Hein??? E se além da violência psicológica e física que essas crianças sofreram, ainda engravidam??? Hein? Como que fica? A igreja resolve? Palavras macias resolvem alguma coisa???
Se desejamos ser responsáveis pelo que fazer com o nosso corpo, nada mais do que correto que também sejamos conscientes e responsáveis também por sobre como cuidar dele.
EU APOIO SIM, O ABORTO LEGALIZADO INCLUSIVE NOS CASOS DE VIOLÊNCIA SEXUAL, DESDE QUE POR DECISÃO PRÓPRIA DA MULHER.
E para aqueles homens que ficam tão incomodados com uma opinião dessas, coloquem-se no lugar das suas esposas, mães e filhas, seus falsos moralistas!

Responder

Comentário por Danielle
23 de março de 2012 às 15h10

O sistema é a favor do sexo sem freio, álcool, carnaval e é contra o aborto. Vamos refletir a respeito? O que isso significa? Abraços!

Responder

Comentário por gisele
24 de março de 2012 às 17h13

Tudo isso se define como HIPOCRISIA e falso moralismo. Cada pessoa tem direito e consciência sobre seu próprio corpo e isso não é problema de ninguém. Como a amiga disse ali em cima: NINGUEM TEM O DIREITO DE DIZER O QUE É CERTO OU ERRADO. Acho que deveriam ser feitos protestos realmente relevantes, sobre a política, educação!!!

Responder

Comentário por Eliza Avila
23 de março de 2012 às 15h56

E agora sim: Parabéns, minha xará, Elisa Gargiulo!
Querer que aborto continue sendo crime, mas não denunciar a mulheres do seu convívio que já abortaram, não adianta!
Se abortar realmente fosse o mesmo que “matar” um ser humano, o mínimo q deveriam fazer era denunciar pra polícia a mulher que abortou e torcer para que ela seja processada e julgada como a lei manda! Da mesma forma q se faz quando alguém vê um assassino solto…
Saber que alguém abortou, td mundo sabe! Mas denunciar a mulher pra polícia, vê-la presa, julgada, condenada e cumprindo pena num presídio feminino junto com outras criminosas, isso ninguém quer quando se trata de amiga ou familiar que fez aborto né?

Responder

Comentário por Celso Masotti
23 de março de 2012 às 17h24

Elisa. Parabéns. Parabéns. Parabéns. Parabéns. Parabéns. Parabéns. Parabéns. Parabéns. Parabéns. Parabéns. Parabéns. Parabéns. Parabéns. Parabéns. Parabéns. Parabéns. Parabéns. Parabéns. Parabéns. Parabéns. Parabéns. Parabéns. Parabéns. Parabéns. Parabéns. Parabéns. Parabéns. Parabéns. Parabéns.
Você é uma cidadã. Você sabe o que isso significa indubitavelmente. Que bom que você é brasileira. Virei seu fã!

Responder

Comentário por Fernanda
23 de março de 2012 às 17h37

Ué, se a mulher acha absurdo fazer aborto, mesmo que o feto seja fruto de um estupro, que não faça e pronto. Ninguém a obrigará a fazer. Gente doida! Vão pro tanque!!! Viva Elisa!!!

Responder

Comentário por Natasha
23 de março de 2012 às 17h55

Atitude CORAJOSA! Enquanto o aborto não for um assunto para debate aberto, estaremos sujeitas às opiniões machistas e hipócritas vindo de homens e mulheres.Conheço 2 pessoas que recorreram ao aborto por questão de escolha própria, as duas estão felizes, e inclusive uma tem um filho hoje em dia, anos após o aborto.Sorte delas por não estarem mortas, mas quem responderá pelas que morreram?A família? O poder religioso desse país é de doer no coração, engraçado, pois na Itália o aborto é legalizado, o país do Papa.Hipocrisia define.

Responder

Comentário por Rafael
23 de março de 2012 às 22h33

a menina mandou bem pra caralho !!!!

Responder

Comentário por Mariana Tezini
23 de março de 2012 às 22h57

Como a mulher é livre para fazer o que quiser com o próprio corpo e não com o filho que está dentro dela? Como assim, se a mulher não quer espere nascer e dê para alguém que queira?
Se o bebê está dentro da mulher, ela deve ter sim o direito de escolher pelos dois, senão ele nasceria de um pé de alface, oras. E deve ser um direito da mulher que opta por isso, fazer de forma que não coloque a sua vida em risco.

Responder

Comentário por Igor
24 de março de 2012 às 3h11

Da próxima vez, chamem as feministas fo FEMMEN no lugar dessa Elisa aí… ¬¬

Responder

Comentário por Ana Jéssica
24 de março de 2012 às 11h41

eu acho que o aborto legal só deveria servir em assuntos de estrupo .. e não para qualquer mulher pq se nao iria ficar facil ir la ter uma relação sexual e depois que descobrisse que ta gravida, abortasse ! mt facil distruir uma vida né? existe tantos meios de não ter engravidado, pq despois quer matar o inocente.

Responder

Comentário por Paulo Rená
24 de março de 2012 às 14h17

Uma ideia na cabeça e uma câmera na mão. Lindo protesto, sagaz a filmagem e divulgação. Por isso mesmo só acho bobo a Elisa achar tão ruim o protesto virtual, “nas redes sociais”. O vídeo feito e a divulgação, creio eu, valem muito mais do que se tivessem ido 700 pessoas no dia. É uma ferramente ótima justamente para a minoria se fazer ouvida.
Sobre o aborto em si, é isso, eu sou contra fazer, não faria, mas sou a favor do direito de decidir.
Em tempo, acho que num futuro ideal deveríamos chegar à discutir melhor se o pai (gente, pai de boa fé, namorado, amigo, vizinho, marido, amante) deve ser parceiro na decisão. Se só a mulher ficar com a responsa de decidir, a gente realimenta uma ideia de que só a ela cabem as obrigações da família.

Responder

Comentário por Eliza Avila
24 de março de 2012 às 14h45

Ei! Mas “peraí”! O cartaz da Eliza dizia: “Em memória às mulheres vítimas do aborto clandestino”. Se pensarmos que o termo “pró-vida” significa “a favor da vida”, podemos concluir que Elisa se manifestou a favor da vida das mulheres que morrem devido à pratica de um aborto clandestino… Portanto, se esta manifestação realmente era pensando nas VÍTIMAS dos abortos ilegais, não vejo porque tanta revolta e indignação dos demais participantes…
Quer dizer, entendo MUITO BEM o motivo da revolta desse pessoal. Defender “vidas” quando elas ainda estão dentro do ventre alheio é mais fácil que as dos que já nasceram.

Responder

Comentário por gisele
24 de março de 2012 às 17h57

“TODO MUNDO COM O CARTAZ PESSOAL” dá vontade de mandar ele comer aquele cartaz!!!! PARABÉNS Eliza.

Responder

Comentário por Nicole
25 de março de 2012 às 0h56

Sou mulher e sou perfeitamente a favor do aborto. Tá na hora da socidedade parar de ser regida por valores religiosos e encarar o problema de frente. Muitos países possuem o aborto legalizado, e não por coincidência: possuem níveis de estudo e inteligência muito superiores as dos brasileiros. Só pesquisar sobre mais o assunto. A mulher tem direito de ter as rédeas de sua vida.

Responder

Comentário por Marcos
25 de março de 2012 às 1h59

COMO FAZ PRA ASSISTIR O VIDEO? ELE ESTÁ PRIVADO. COMO VOCÊS ESTÃO CONSEGUINDO ASSISTÍ-LO? EU TAMBÉM QUERO ASSISTIR, É TÃO DIFICIL ACHAR NA INTERNET VIDEO COM ALGUÉM DE TAMANHA CORAGEM COMO A ELISA DO VIDEO (SEGUNDO COMENTARIOS DE TODOS), QUANDO EU ACHO, NÃO POSSO ASSISTÍ-LO. DESDE JÁ AGRADEÇO A AJUDA.

Responder

Comentário por Anneliese
25 de março de 2012 às 13h00

Essa Elisa Gargiulo é uma nazista assassina de criancinhas!O lugar dela é na cadeia!

Responder

Comentário por Anneliese
25 de março de 2012 às 13h01

Essa criminosa gosta de monarquia e odeia a democracia!Ela odeia os direitos das mulheres e crianças!

Responder

Comentário por Anneliese
25 de março de 2012 às 13h05

Essa delinquente juvenil é uma prova da covardia do governo.Eles queriam o sangue dela na praça da sé.Eles pensam que não somos civilizados!Viva a irmandade da flor!Oborto é assassinato com nome diferênte!

Responder

Comentário por Anneliese
25 de março de 2012 às 13h06

“Não” ao Nazismo!

Responder

Comentário por Anneliese
25 de março de 2012 às 13h06

Diremos sempre não ao nazismo!

Responder

Comentário por Anneliese
25 de março de 2012 às 13h07

Fora Nazistas!

Responder

Comentário por Anneliese
25 de março de 2012 às 15h28

Eles queriam derremar o sangue dela para noticiar no JEG.O governo não contava com o nosso amor pela democracia.Somos civilizados!Povo 1×0 Governo kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk!

Responder

Comentário por Eder
26 de março de 2012 às 2h19

Ali dentro da mulher há algo muito mais do que ” filho de um ou de outro ” vocês esquecem que o bebe, criança, feto sofre também.
Tirar a liberdade de viver isso é um crime terrivel, acham que a mulher tem direito por que ta no corpo dela e etc… mas esquecem que o que esta ali é uma vida não um brinquedo que pode ser descartado facil. ” Vamo fazer, não quero mais, joga fora” matar um feto é matar uma pessoa, algo que deveria ser crime….

Mas no mundo de hoje, mundo em que as pessoas se importam com elas mesmas, lutão para ter o direito legal de tirar vidas MAS não fazem nada para melhorar a educação, corrupção, saúde nem nada que realmente acrescente em algo… bom isso já é o fim.

Responder

Comentário por Gustavo
26 de março de 2012 às 9h48

Coragem ir em manifestação de católicos que tradicionalmente são pacíficos. Eu quero ver é ela ir criticar manifestação de PSTU, PSOL ou MST. Ai sim vou admirar a coragem dela, pq como todo mundo sabe, e eu já presenciei na pele, esses progressistas não são nada pacíficos.

Responder

Comentário por Anneliese
26 de março de 2012 às 18h15

Obviamente!Progressistas só falam em pólvora e pólvora nas universidades!

Responder

Comentário por Anneliese
26 de março de 2012 às 18h17

Vamos continuar dizendo não para a morte!

Responder

Comentário por Anneliese
26 de março de 2012 às 18h18

O índice de Progressistas que matam em pátios de universidade é altíssimo!

Responder

Comentário por Anneliese
26 de março de 2012 às 18h19

Jamais copiaremos eles!Nazistas Malditos!

Responder

Comentário por Anneliese
26 de março de 2012 às 18h20

Gente do PSTU e PSOL é tudo racista!

Responder

Comentário por Anneliese
26 de março de 2012 às 18h21

Eles defendem terrorismo e morte!

Responder

Comentário por Anneliese
26 de março de 2012 às 18h22

As manifestações desses nazistas são brutais!

Responder

Comentário por erica
27 de março de 2012 às 3h27

Elisa PARABÉNS pela coragem, pela atitude. Gostaria de estar em SP nesse dia e subido com você.

Responder

Comentário por erica
27 de março de 2012 às 3h28

Elisa PARABÉNS pela atitude e pela coragem.

Responder

Comentário por Patricia
27 de março de 2012 às 6h04

Parabéns, Elisa!

Responder

Comentário por Ângelo Capozzoli
27 de março de 2012 às 12h23

Viva Elisa Gargiulo!

Responder

Pingback por Pintuda não! « Cadê minha pauta?
29 de março de 2012 às 20h17

[...] esse link (cliquem, assistam) no meu Facebook ontem e, na hora de fazer um comentário sobre o conteúdo, [...]

Comentário por Anneliese
30 de março de 2012 às 11h15

Parabens uma ova!Sua assassina maldita!Você é uma covarde que defende o assassinato de criânças!

Responder

Comentário por Anneliese
30 de março de 2012 às 11h16

Ninguem tem o direito de tirar a vida de alguem!Você é uma psicopata e devia ser internada!

Responder

Comentário por Anneliese
30 de março de 2012 às 11h17

Sua assassina!Você é a escória!Sua fascista ordinária!

Responder

Comentário por Dirce Munhoz
2 de abril de 2012 às 15h41

Se fosse uma manifestação pela legalização do aborto e aparecesse alguém com um cartaz contra, esta pessoa seria chamada de violenta por vocês. Esta martirização da “heroína” Elisa, segue bem aquele raciocínio de “Ditadura é quando mandam na gente, democracia é quando mandamos neles”. A mesma atitude tendo peso diferente dependendo de quem vem. Já vi vários pró vida sendo hostilizados em manifestação pró legalização do aborto, mas vocês insistem em abordar a questão de maneira totalmente maniqueísta, nos rotulando de pró-morte, anti-mulher, reacionários, conservadores, fanáticos religiosos, fascistas e chamando seres humanos de parasitas. Se fossem parasitas, assim como acontece com todos os seres que pertencem a esta categoria, eles sofreriam com o mecanismo de rejeição do corpo que o hospeda, fato que não ocorre nem em casos de gravidez indesejada. Se o feto é parte do corpo da mulher, que parte seria essa? Um orgão a ser amputado? Um tumor a ser extraído? Como é possível ser parte do corpo e ser parasita desse mesmo corpo ao mesmo tempo? O aborto é o único procedimento médico violento e invasivo onde não se cura doença nenhuma. Tratar uma (dupla) mutilação como se fosse uma amputação não fará com que ela passe a ser uma. Tratar a gravidez como doença ou chamar o feto de parasita não os transforma nisso.

Responder

Comentário por Alexandre Mourão
8 de abril de 2012 às 23h13

Um dos protestos mais autênticos e belos que já vi na minha vida! Uma mulher corajosa e admirável ! Parabens!

Responder

Comentário por Anneliese
20 de abril de 2012 às 1h35

Admiravel só na sua cabeça oca.Seu verme assassino de crianças!

Responder

Comentário por Anneliese
20 de abril de 2012 às 1h38

Você não tem sentimentos!Vocês que apoiam essa Elisa são um bando de pragas!O Lugar de Vocês é na cadeia.Seus nazistas .

Responder

Comentário por Anneliese
20 de abril de 2012 às 1h39

Lugar de vocês é na cadeia.

Responder

Comentário por Bárbara
20 de abril de 2012 às 17h03

Tá, vamos fazer umas suposições: Se todo e qualquer problema detectado no feto nos OBRIGASSE a abortar. Ou então, se toda gravidez das classes menos favorecidas fosse OBRIGADA a abortar pelo SUS, para, digamos, controle populacional. E aí? Ou mesmo as gestações de anencefálicos fosse OBRIGADA a abortar? Horrível né, desumano! Pois bem, o que se tem aí é a limitação da liberdade. O aborto sendo LEGALIZADO não OBRIGA ninguém a abortar. Apenas dá liberdade de decidir sobre seu corpo, sua vida, seu futuro. E evitaria tantas crianças jogadas na lata de lixo, abandonadas em sacolas na calçada. E tantas mães criminalizadas, adolescentes presas por abandono, por prática de aborto, um crime, um assassinato! E prender estas jovens, taxá-las para o resto de vida não é uma forma de assassinato? E deixar que jovens morram em decorrência a abortos mal feitos, não é assassinato. Simplesmente virar as costas para estes problemas não os resolve! E não se iludam que a legalização do aborto servirá para as filhinhas de papai que engravidaram na faculdade possam “resolver” seu problema, porque elas já fazem isso sem problema algum, pagando um dinheirão! E as que não podem, joga os filhos na lata de lixo. LEGALIZAÇÃO JÁ. LIBERDADE JÁ!

Responder

Comentário por Anneliese
23 de abril de 2012 às 3h16

E evitaria tantas crianças jogadas na lata de lixo, abandonadas em sacolas na calçada. E tantas mães criminalizadas, adolescentes presas por abandono, por prática de aborto, um crime, um assassinato! ? kkkkkkkkk

Analisando seu comentário estúpido.
Vai fazer uma esame neurológico sua estúpida.

Já ouviu falar em adoção de crianças?
Se você não tem amor em seu coração de pedra não significa que outras mulheres são iguais a você.

Responder

Comentário por Anneliese
23 de abril de 2012 às 3h18

Bárbara
?
Seu nome é bem a sua cara.Você é mesmo má.

Responder

Comentário por Anneliese
23 de abril de 2012 às 3h20

Vai pintar asfalto sua sua depresiva e amargurada!

Responder

Comentário por Anneliese
23 de abril de 2012 às 3h31

Uma Bárbara nazista disse isso:Simplesmente virar as costas para estes problemas não os resolve! E não se iludam que a legalização do aborto servirá para as filhinhas de papai que engravidaram na faculdade possam “resolver” seu problema, porque elas já fazem isso sem problema algum, pagando um dinheirão! E as que não podem, joga os filhos na lata de lixo. LEGALIZAÇÃO JÁ. LIBERDADE JÁ!

Analisando seu comentário.

Percebeu que a unica coisa que você quer é o direitos iguais para matar?O que você tem na cabeça?Você é uma praga.Se você está de mal com a vida não desconte sua raiva nos outros.Se quer se livrar desses probleminhas use preservativo e aprenda a fechar as pernas de vez enquando.Falta de sexo não mata ninguem.Para tudo tem sua hora.Tome calmantes e banhos de agua fria.Não fique se achando martir.Você é só uma engrenagem governamental que se sente no direito de decidir a vida dos outros.Liberdades para os fetos já.
Notou a diferença entre gente como eu e gente como você?
Você tem uma cabeça fechada e só se importa com premissas.Eu pego as premissas e mando elas para o inferno e para o diabo fazer molho.Estou pouco ligando para marx ou qualquer outro infeliz.Apenas tenho bom senso e sou u ser humano.

Responder

Comentário por Anneliese
23 de abril de 2012 às 3h33

Um pouco de amor não mata niguem.Ouviu sua Bárbara!

Responder

Comentário por Anneliese
23 de abril de 2012 às 3h34

Aprenda que cama tmbem serve para durmir e não só para transar.

Responder

Comentário por Ricardo
21 de março de 2013 às 14h16

E tem mais, nesse debate por muitas vezes acalorado, seja da parte dos pró-vida, seja da parte dos pró-escolha, se extrapola. Vamos analisar filosoficamente um argumento recorrente: “A mulher tem a liberdade de fazer o quiser com seu próprio corpo”! Correto, mas o embrião, o feto tem um corpo independente , seu, o feto não é uma extensão do corpo da mulher, ele é uma forma de vida independente. É uma falácia incluir no pacote ‘meu corpo’ o corpo do feto! É uma vida potencialmente viável, não subsiste por si? Pode ser, mas milhares de vacas sobreveveriam por si e ainda sim achamos legítimo manter matadores e nos alimentar delas apenas porque os consideramos formas de vida inferiores a nossa ou porque a nutrição diz ser indispensável vivermos sem os nutrientes que a carne delas nos oferecem…

Responder

Comentário por Carol
26 de julho de 2013 às 0h00

Tem q ter muito sangue frio pra aguentar esse monte de provocação e não meter a mão na cara de ninguém. Pra aguentar gente querendo te privar do seu direito de livre expressão, cobrindo seu protesto ou tentando abafar gritando qualquer coisa sem sentido. Sério, tem que ir longe pra comparar aborto a “políticas eugenistas”.
A Elisa é foda. Lembro quando ainda era adolescente e a vi num show do Dominatrix defendendo a inclusão de absorventes na cesta básica, porque é a menstruação é algo da natureza da mulher, que não deveria ser tratado como algo a se esconder, a se ter vergonha.

Responder

Comentário por Carol
26 de julho de 2013 às 0h02

Tem q ter muito sangue frio pra aguentar esse monte de provocação e não meter a mão na cara de ninguém. Pra aguentar gente querendo te privar do seu direito de livre expressão, cobrindo seu protesto ou tentando abafar gritando qualquer coisa sem sentido. Sério, tem que ir longe pra comparar aborto a “políticas eugenistas”.
A Elisa é foda. Lembro quando ainda era adolescente e a vi num show do Dominatrix defendendo a inclusão de absorventes na cesta básica, porque é a menstruação é algo da natureza da mulher, que não deveria ser tratado como algo a se esconder, a se ter vergonha.

Responder

Comentário por patrícia
26 de julho de 2013 às 13h47

carah *me arrepiei !
minha posição sobre o aborto é bem complicada ,mas eu mtu concordo c a frase do cartaz .
minha vontade ao ver esse vídeo era de estar lah ajudando essa garota a se manifestar .

qnd eu fui intercambista ,minha família dos EUA era católica .uns amores de pessoas .de tempos em tempos as pessoas vão as ruas protestar sobre algumas leis ,e na época era sobre a lei que legalizava o aborto .a igreja católica eh contra .

pois então ,eles juntaram vários jovens ,em sua maioria entre 12 e 16 anos .nós assistimos vários testemunhos que eu tiro o chapéu ,mas achei uma lavagem cerebral o.O

principalmente qnd mostraram vídeos mostrando abortos .eles queriam causar uma raiva e um impacto naqueles jovens ,eles não queriam o questionamento pq estava fora de questão .

gente que não esta aberto a escutar o que as outras pessoas tem pra falar não deviam nem abrir a boca !

recomendo o compartilhamento desse vídeo .

atitude escrota dos outros manifestantes .

Responder

Deixe um comentário