OEsquema

“Exit Through The Gift Shop”


O deboche logo na entrada do cinema, em Los Angeles
fotos: URBe

Com seu documentário “Exit Through The Gift Shop” (“Saia Pela Loja de Souvenirs”, numa tradução livre), Banksy demonstra de maneira admirável sua principal característica, responsável por boa parte do seu sucesso: a habilidade de manipular a mídia.

A diferença é que dessa vez ele retratou todo o processo. Mais do que isso, expôs a volatilidade do mundo da arte, a sanha dos colecionadores pelo hype, a fragilidade dos críticos, espeta Damien Hirst e outros artistas que contam com batalhões de assistentes e exalta o próprio trabalho. Tudo num só filme. Não é pouca coisa.

Na melhor tradição dos mockumentaries, fazendo referência ao clássico “F For Fake” de Orson Welles, o filme é o “Borat” da arte de rua. O argumento é muito bom, centrado em Thierry Gueta, um francês desajustado, com obsessão por registrar todos seus momentos em vídeo e que por caminhos tortuosos obtém autorização para filmar Banksy.

O documentário fica tão ruim que Banksy, intrigado com a personalidade do francês, o estimula a produzir sua própria arte, inverte a mão e passa a documentar o processo de transformação de Thierry. Assinando como Mr. Brainwash, a nova estrela é tomada pela megalomania e faz da sua primeira exposição um gigantesco evento em Los Angeles.

Com a ajuda de Banksy, Shepard Fairey, Invader e outros na divulgação, a estréia do evento chega a capa do LA Weekly, se torna um sucesso estrondoso e boa parte das obras, vergonhamente baseadas em Andy Warhol e Banksy, são vendidas por preços inacreditáveis.

A verdade só veio a tona agora, com o lançamento do filme, sem para isso precisar abandonar a brincadeira com a verdade. Ou melhor, a grande jogada é justamente o filme se tornar um documentário ao retratar uma mentira verdadeira. Bingo.

As pistas estão de que se trata de mais um golpe de Banksy estão em toda parte, a começar pelo roteiro. Boa parte do artistas mostrados no filme como fundamentais da arte de rua (Invader, Faile ) são representados no mercado pela mesma galeria londrina, a Lazarides, responsável também pela venda de obras do Banksy. O dono da galeria, Steve Lazarides, aparece em uma entrevista, creditado como ex-porta voz do artista.

Há inclusive “furos” de roteiro. Banksy diz que permitiu Gueta filmar suas ações porque achou importante ter esses registros. No filme o ataque a Disneylândia foi o primeiro registrado por Gueta, no entanto, antes disso vemos imagens de ataques mais antigos, ao muro de Israel, por exemplo.

Com a decisão de ele mesmo fazer um filme sobre seu trabalho, Banksy resolveu duas questões. Primeiro, se livrou dos inúmeros pedidos para ser filmado. Segundo, manteve total controle do que seria comunicado, assim como e de que maneira seria retratado em um documentário. E ainda encontrou oportunidade de fazer disso mais um dos seus ataques.


Distribuição de cartazes

Na entrada das sessões, cartazes com reproduções dos trabalhos do Mr. Brainwash são distribuídos gratuitamente e são disputados. Na saída eles continuam lá, porém, estranhamente, o interesse não é mais o mesmo.

Deveria ser o contrário. É precisamente na mentira que reside o seu valor.

8 Comentários
por: Bruno Natal postado em: Uncategorized tags: , , , , , , ,

8 Comentários

Comentário por Antonio
30 de abril de 2010 às 9h49

bom texto, bruninho! fiquei mais amarradao pra ver o filme do que ja estava. abs

Comentário por Thomas
1 de maio de 2010 às 14h15

hahaha… muito bom essa observação no finalzinho.
E Banksy é foda mesmo: pra mim, o mais legítimo sucessor da tradição Duchampiana.
Mas torrent desse mock que é bom, ainda nada…

Comentário por oow
2 de maio de 2010 às 20h01

irado hein

Comentário por arielcardeal
7 de maio de 2010 às 17h42

Acho que achei o torrent fellas:

http://www.torrentportal.com/details/4781231/Exit+Through+the+Gift+Shop.2010.DVDRip.XviD-ARROW.torrent

Comentário por arielcardeal
10 de maio de 2010 às 18h29

torrent errado.

era fake.

¬¬

Comentário por Simone Natal
10 de setembro de 2010 às 22h20

Oi, Bruno. Já me deparei algumas vezes com o seu nome na internet e me despertou uma curiosidade. Tenho um primo chamado Bruno Natal, e primeiramente pensei que você fosse ele, mas agora pela foto vi que não é. Você tem alguma relação com a família Natal de Atibaia? Também vi seu nome em alguma exposição na Paulista, há um tempo atrás. Era você? Enfim, desculpe se estou sendo intrometida. Mas poxa, você tá em todas :)

Comentário por Bruno Natal
11 de setembro de 2010 às 0h44

oi simone,

não tenho família imediata em atibaia não, são todos do Rio.

meu nome numa exposição? provavelmente não era eu não…

Comentário por Simone Natal
12 de setembro de 2010 às 15h30

Então o Bruno Natal da exposição deve ser meu primo de Atibaia. Engraçado que logo relacionei o nome a você, pela temática de elguns dos seus textos.

Mas devemos ser parentes de alguma forma então. Meu avô Joel, já falecido, era do Rio. O pai dele se chamava Manuel. Bom, essa é a última tentativa :)

Os comentários estão fechados.