• OEsquema, o fim (2008-2015)

    2015 é um ano de transformação e mudanças. Após sete anos juntos chegou a hora de cada um seguir o seu caminho separado. E assim chega ao fim a jornada d’OEsquema.

    Os blogs de cada um continuam, agora em endereços individuais (confira todos). A partir de amanhã o URBe estará em www.urbe.cc

    Foi uma empreitada de muito aprendizado. Ter tido como parceiros e sócios três amigos dos quais sou, antes de mais nada, admirador, foi uma sorte. Obrigado Matias, Mini e Arnaldo, muito orgulho do que construímos juntos. Foi uma honra. Que venham os novos projetos e ideias, OE foi só uma das muitas realizações conjuntas.

    Só posso também agradecer ter dividido o espaço e hospedado as ideias de tanta gente talentosa que hospedou seus blogs no OE. Muito obrigado pela oportunidade e experiência adquirida a cada um dos autores que confiaram na gente e construíram juntos esse espaço de referência.

    Não foi uma decisão fácil. Com audiência batendo 1 milhão de visualizações de página por mês, OEsquema poderia ter tido um relativo sucesso comercial. Porém esse não era o foco e, quando começou a precisar se tornar, para poder ao menos pagar as contas de tráfego crescentes (impressionante como isso ainda é uma questão), ficou claro que não era essa a sua predileção – ou a nossa, ao menos com esse projeto.

    Experimentamos muito do que desejávamos e sobretudo fizemos o que queríamos. Era essa a nossa intenção, testar um ambiente de encontro de ideias: e tivemos momentos memoráveis, como a cobertura coletiva espontânea das manifestações de julho de 2013.

    A empreitada se encerra com gosto de vitória, sem nenhum amargo. Provamos que é possível e viável um espaço como o que criamos. OEsquema cumpriu o seu papel. Além disso, é bom acabar. Trazendo pro assunto principal dessa banquinha, se tem uma coisa que me incomoda é banda que não sabe a hora de parar. Não seria legal seguir por esse caminho.

    Algumas pessoas questionam a razão de manter um blog nesses tempos em que o cercadinho do Facebook vai se sobrepondo a própria internet. Além das facilidades e benefícios de arquivamento (já tentou encontrar um texto antigo nessas redes?), o motivo principal é exatamente esse: estar fora do cercadinho, ter controle sobre o próprio espaço e liberdade para publicar o que quiser.

    No mais, estou há mais de uma década mantendo o  blog principalmente para mim mesmo, para organizar minhas ideias, de certa forma é um arquivo para uso próprio. O fato de ser aberto e compartilhar o conteúdo com você que lê me obriga a me esmerar para fazer bem feito.

    Em 12 anos editando o URBe, essa será a primeira vez em que terei uma URL própria (antes do OE, hospedei no Blogger em 2003 e depois fiz parte do  coletivo Gardenal.org, até 2008).  Editar esse blog permeia praticamente toda minha vida profissional e define muito de quem eu sou.

    Para mim é inacreditável que o URBe esteja durando tanto tempo e, mais que isso, gente lendo.  Fico agradecido e orgulhoso, de verdade. No mais, todo fim é um novo recomeço e iniciar essa nova fase dá frio na barriga – e isso é ótimo!

    Visite oesquema.com.br para se atualizar dos novos endereços de cada blog (leia também o texto de despedida do Matias, linko a dos outros quando vierem).

    Seguimos juntos no www.urbe.cc! Que venha o futuro!

    Saudações rubro-negras – o quê, você nunca pescou a inspiração do logo? ;)

    Bruno.

    orsonwells_clapping

  • Sábado tem: MØ

    Sacadura 154
     (+ festa com DJs Cix, Yasmin e Cadinho)
    30 de maio (sábado)
    22h
    R$ 100 (meia social, válida para todos que doarem 1kg de alimento não perecível no dia)

    Certo que vai rolar essa pancada, mesmo não sendo dela:

  • Smoove & Turrell, “Will You Be Mine”

    Só nos grooves.

  • Shamir, “Call It Off”

    Olha o Shamir aí de novo, lançando seu disco.

  • Willie J Healey, “Subterraneans”

    Na comparação preguiçosa, um King Krule mais indie pop.

  • Mais um Dia da Rua

    Diogo Strausz Iniciado em 2008 e em sua sexta edição, o Dia da Rua se confirma como um dos eventos mais bacanas do calendário carioca. O formato é bastante simples, com vários artistas tocando em sequência ao longo da orla, do Leblon ao Arpoador. Lila A escalação esse ano estava especialmente boa, com novidades e […] >
  • A$AP Rocky, “At.Long.At.Last.ASAP”

    Mos Def e ASAP Rocky
    foto: divulgação, via Facebook

    Olha, eu sou um rapper e ficaria desanimado de ser contemporâneo do Kendrick Lamar, pior ainda lançar disco alguns meses depois do cara.

    O mundo, no entanto, é injusto e as vezes cruel, obrigando as pessoas a enfrentarem suas próprias limitações. É nesse cenário que o incensado ASAP Rocky assiste  ”At.Long.At.Last.ASAP”, seu segundo disco, “vazar” (e tome aspas nesse vazar, já tinha clipe pronto, capa na página do Facebook anunciando o lançamento mesmo com a data furada e etc).

    E olha que o disco, principalmente em termos de produção, chapadão, não é ruim não, mesmo que lembre coisas de muitos dos convidados do disco. Nem adianta catar uma “Fucking Problems” que não tem, está bem mais na onda de “Purple Swag”.

    A lista de participações e colaborações é respeitável:  M.I.A., Lil Wayne, Kanye West, Schoolboy Q, Clams Casino, Danger Mouse, Juicy J, Future, Miguel, Mos Def, Rod Stewart e Mark Ronson. Em termos de letras, muitas delas inspiradas na morte do amigo e mentor A$AP Yams, a coisa fica ruim pro rapaz em comparação com Kendrick.

    “L$D (Love x $ex x Dreams)”:

    “Everyday” (feat. Rod Stewart x Miguel x Mark Ronson):

/ URBe
por Bruno Natal

Cultura digital, música, urbanidades, documentários e jornalismo.
Não foi exatamente assim que começou, lá em 2003, e ainda deve mudar muito. A graça é essa.

falaurbe [@] gmail.com
Share with your friends










Submit
Share with your friends










Submit
Share with your friends










Submit
Share with your friends










Submit
Share with your friends










Submit
Share with your friends










Submit
Share with your friends










Submit